Esse blog é sobre a história da minha família, o meu objetivo é desvendar as origens dela através de um levantamento sistemático dos meus antepassados, locais onde nasceram e viveram e seus relacionamentos inter-familiares. Até agora sei que pertenço as seguintes famílias (nomes que por vezes são escritos de forma diferente): Ramos, Oliveira, Gordiano, Cedraz, Cunha, Carvalho, Araújo, Nunes, Almeida, Gonçalves, Senna, Sena, Sousa, Pinto, Silva, Carneiro, Ferreira, Santos, Lima, Correia, Mascarenhas, Pereira, Rodrigues, Calixto, Maya, Motta…


Alguns sobrenomes religiosos que foram usados por algumas das mulheres da minha família: Jesus, Espirito-Santo...


Caso alguém tenha alguma informação, fotos, documentos antigos relacionado a família é só entrar em contato comigo.


Além desse blog também montei uma árvore genealógica, mas essa só pode ser vista por pessoas que façam parte dela. Se você faz, e gostaria de ter acesso a ela, entre em contato comigo.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Arvore Genealógica CARLOS VILMAR

 

Texto por Carlos Vilmar

INFORMAÇÕES extraídas do Livro "A FAMÍLIA DE Serrinha", Escrita Pelo Dr. Antônio José de Araújo, Impresso Pela Typographia "O SERRINHENSE" em 1926.

A ÁRVORE GENEALÓGICA


Texto extraído da página 130 do supra citado livro:

“Em 1869, o inventariante, Pedro Alves da Silva (meu pentavô), inventariada, sua mulher Ignácia Maria de Jesus (minha pentavó). Filhos, José, Luiz, Justino (meu tataravô), Anna e Manoel, estes dois últimos mortos depois de sua mãe. Terras – as da fazenda Laranjeiras, (150$), Rosário (50$000), Riacho da Manga, nos suburbios deste arraial de Serrinha, (50$000). Pedro Alves da Silva é tio de Manoel, Maria, Anna, Antônia e Constança, filhos de Vicente Ferreira de Araújo e sua mulher Maria Alexandrina da Silva, esta inventariada em 1866, deixando terras no Tambuatá (50$000), Maria (Maria Margarida de Jesus) sua sobrinha, casou-se com Manoel Pinheiro de Carvalho).
Para facilitar o estudo criei a seguinte convenção:


Ascendência materna
Meu avô André Lima Oliveira (da família Carneiro): o Pai = A1, a mãe = B1,
Minha avó Blandina Silva Oliveira (da família Nunes Guardiano): o Pai = A2, a mãe = C2
Ascendência paterna
Meu avó Euclides Evangelista de Souza: o Pai = A3, a mãe = B3
Minha avó Lúcia Ferreira Souza: o Pai = A4, a mãe = B4


Os patriarcas linha genealógica materna
Ascendência A1 (linha ascendente paterna do meu avô André)

Manoel Francisco de Oliveira
Redogina Maria de Jesus
Ascendência B1 (linha ascendente materna do meu avó André Lima Oliveira)


O TRONCO DA FAMÍLIA

Água Fria já era freguesia desde 1718, e vila à partir de 24 de abril de 1727, quando foi desmembrada de Cachoeira (que foi criada vila em 1689), Serrinha pertencia à vila de Água Fria, mas como simples fazenda de gado de propriedade de Bernardo da Silva, criador abastado e chefe de uma numerosa família. Em 1763, depois da morte de Bernardo da Silva, pensou-se em transformar a fazenda em arraial, embora já tivesse há muito tempo uma capela construída em louvor à N. Sra. Sant’Anna.


Em um documento de 1763, refere-se ao sítio de N. Sra. Sant’Anna; em outro de 1775 se fala somente no sítio Serrinha, mas em 1814 já se fala no arraial de Serrinha, portanto Serrinha só foi arraial depois de 1780, quando foi concluída a capela que hoje é a Matriz da cidade. O arraial consequentemente, não é obra de Bernardo da Silva; mas dos seus filhos e genros. Foram estes pelo menos os concluidores da construção da Igreja. O impulso do prosseguimento da construção partiu da viuva de Bernardo da Silva, D. Maria do Sacramento e dos filhos Pe. Prudente e Maria da Purificação.


Quando da viagem do mestre de campo Joaquim Quaresma Delgado, de Salvador para Jacobina, em 1731, encontrou em Serrinha muitas casas dos proprietários da fazenda, com seus respectivos moradores, descendentes de Bernardo da Silva, “não sei se eles eram portugueses, ou tão somente descendentes de portugueses”.


Não há registro preciso se Bernardo da Silva era filho ou neto de Sebastião da Silva, português, tabelião na cidade do Salvador, que de 1612 a 1653 era proprietário de fazendas entre os rios Subaúma e Unhambupe, e de quem era descendente Roberto da Silva e outros, que eram heréos confinantes do fidalgo Manoel Saldanha, dono de grandes terras no sertão dos Tocós, e de cujos antepassados Bernardo da Silva, comprou em 1723 o sítio Serrinha.
Bernardo da Silva, que em 1716 morava na fazenda Tambuatá, em 1723 comprou o sítio que recebeu o nome de Serrinha. Por escritura pública de 7 de dezembro de 1737, seis anos depois da passagem de Joaquim Quaresma por Serrinha, Bernardo da Silva comprou de Domingos Garcia Aragão, representado por seu procurador Manoel Gomes Rosário, a fazenda Saco do Moura.


Em 24 de outubro de 1763, Bernardo já era falecido, sua viúva, Maria do Sacramento, seu filho Pe. Prudente da Silva, e Bernarda Maria e seu marido Fructuoso de Oliveira Maya, José da Silva Oliveira e sua mulher Anna de Jesus e Silva, e Maria da Purificação, venderam as suas partes da fazenda Saco do Moura ao filho, irmão e cunhado capitão Apollinário da Silva, por escritura pública passada por Manoel Jorge Coimbra, tabelião de Água Fria.


Bernardo da Silva e Maria do Sacramento tiveram ao todo nove filhos, destes, três filhas não se conhece os nomes, apenas que foram casadas respectivamente com: Antônio Manoel da Motta, da fazenda Tambuatá, Domingos Ferreira Santiago da fazenda Serra Grande e Miguel Affonso Ribeiro, do Sítio.


Antônio Carneiro da Silva (meu hexavô), Miguel Affonso Ribeiro, o capitão Apollinário da Silva, foram testemunhas da escritura pública da venda de partes das terras do sítio Candeal, de propriedade de Fructuoso de oliveira Maya e sua Mulher Bernarda Maria da Silva, para o alferes José da Silva Oliveira em 18 de dezembro de 1775, ato lavrado pelo tabelião da vila de Água Fria, Antônio Pinto dos Reis.


Dos Filhos de Bernardo e Maria, o Padre Prudente e Maria da Purificação, não constituíram família, e consequentemente, não tiveram descendência. Os demais constituíram e deles procederam as famílias de Serrinha, Saco do Moura, Serra Grande, Tambuatá, Sítio, São Bartholomeu, Genipapo, e Titirica, que por sua origem, e seus entrelaçamentos constituem a família de Serrinha.
Estas famílias ramificaram-se depois por Cachoeira, Feira de Santana, Santo Amaro, Água Fria,  Pedrão, Inhambupe, Riachão do Jacuípe, Coité, Santa Luz, Monte Alegre, Jacobina, Sento Sé etc.


Naquela época as mulheres não eram levadas a sério, minha tia Davina me contou que ela minha vó Blandina e minha tia Yolanda foram registradas inicialmente só pelos nomes sem os sobrenomes, depois as certidões foram retificadas, o fato do nome de algumas mulheres serem desconhecidos aqui, creio que seja pelo fato delas não terem sido registradas. Durante minha pesquisa descobri que algumas não tinham sobrenome, e outras o nome não aparecia, constava apenas como uma filha, casada com Fulano de Tal de Etc., o marido tinha nome e sobrenomes ela não. Observe como as mulheres foram massacradas, até na sua identidade pela história.


AS APOLLINÁRIOS – Família do Saco do Moura
Filhos de Bernardo da Silva e Maria do Sacramento
Apollinário da Silva, capitão


Casou-se com uma senhorita da família Trindade (nome desconhecido) da freguesia de S. José de Itapororocas, estabeleceu-se na fazenda do Saco do Moura. Teve os seguintes filhos:

Josepha que não se casou, foi interditada de usufruir seus bens, os quais foram leiloados e arrematados pelo sargento mor Manoel de Jesus da Silva Gomes, a parte dela da fazenda Saco do Moura; Ignez, que se casou com Manoel de Jesus Gouveia, natural da freguesia de S. Pedro do Rio Fundo, e estabeleceu-se no engenho Gravatá. Tiveram como filhos: Padre José Apollinário de Gouveia, tenente Manoel Jesus Gouveia, que casou-se com sua prima Anna Maria, filha de seu tio José Affonso Ribeiro; Anna que não se casou, Uma que se casou com Manoel Ferreira Lustosa, do engenho dos Brejões, e não teve filhos; Maria que foi casada com seu primo José Apollinário Vieira, do engenho Brejinho, Thereza, que foi casada com Francisco da Silva Mello, do engenho Orobó; Ignez, casada com José Moreira de Carvalho do engenho Água Boa.


TETRANETOS DE BERNARDO DA SILVA
Bisnetos do Capitão Apollinário da Silva e Netos de Ignez e Manoel de Jesus Gouveia


Filhos de Manoel Jesus Gouveia: Ignez que não se casou; Rita que não se casou; Francisca, que não se casou; Anna Cardoso que casou-se com Joaquim José Vieira e teve os seguintes filhos: Padre José Joaquim Vieira, bacharel Luiz Antônio Vieira, juiz de direito da Bahia, Dr. Francisco Joaquim Vieira, médico, que se casou com D. Luiza de Freitas Barros de Oliveira Campinhos, Manoel José Vieira, casado com D. Amélia de Almeida, Joaquim José Vieira, casado com D. Theodora Moreira Souza, Anna Maria, casada com seu primo Manoel José Vieira.
Filhos de uma filha de Maria e José Apollinário Vieira, casado com uma filha de Manoel Jesus: Ignez, que se casou com o Barão de Pojuca, que teve uma filha, que se casou com o almirante Joaquim Pinheiro de Vasconcelos.
Filhos da filha casada com Francisco da Silva Mello: Francisco da Silva Mello Junior, casado com D. Marianna; Ignez casada em primeira núpcias com Manoel Aquino, e em Segunda com o major Honorato Guimarães Leal, de cujo casamento tiveram dois filhos, sendo que deles uma filha casou com José Lopes de Carvalho.
Filhos da filha casada com José Moreira de Carvalho, do engenho da Água Boa: Marianna, casada com Francisco Silva Mello, de cujo casamento nasceram Thereza, casada com Dr. João Ferreira de Araújo Pinho, ex-governador da Bahia, com quem se casou em primeiro e teve dois filhos: Dr. João Ferreira de Araújo Pinho, e D. Maria Pinho; Dr. Francisco Moreira de Carvalho, Conde de Subaé, que faleceu solteiro;  José Moreira de Carvalho; Ignez, casada com o major Honorato Moreira Rêgo, do engenho do Paraguassú, que não deixou filhos.
Filhos de Apollinário Vieira: Ignez, casada com o Barão de Pojuca, filhos de Joaquim José Vieira e Anna Cardoso: Padre José vieira, Dr. Francisco Joaquim Vieira, Manoel José Vieira, Joaquim José Vieira, Ignez e Anna Maria.
Uma que não se sabe o nome, casou-se com Francisco Cordeiro, português, e estabeleceram-se no sítio Lamarão, tiveram dois filhos: Pedro José Cordeiro e Joanna, que se casou primeiro com Ignácio José de Medeiros, e fundou a fazenda Soleira, e em segundo casamento com João Manoel de Freitas.


TETRANETOS DE BERNARDO DA SILVA
Bisnetos do Capitão Apollinário da Silva e Netos filha de Apollinário de nome desconhecido e de Francisco Cordeiro


Filhos de Joanna: Izidoro que não se casou; André que se casou com uma senhora da Purificação dos Campos (primeiro casamento com Ignácio de Medeiros) Cesária que se casou com o tenente coronel Joaquim Carneiro de Campos (segundo casamento com João Manoel de Freitas e outros.
Uma, também de nome desconhecido, casou-se com Luiz Antônio Francisco Vieira, natural de Salvador e morador da Fazenda Saco do Moura, e tiveram como filhos: José Apolinário Vieira, casado com Maria, filha de Manoel de; Joaquim José Vieira, que se casou com Anna Cardoso, sua prima, filha do tenente Manoel de Jesus Gouveia (acima); Manoel José Vieira, que se casou com Maria da Representação, filha do tenente José da Silva Carneiro e sua mulher Anna Moreira (minha pentavó). Uma que se casou com Antônio Joaquim, não teve descendentes.


OS AFFONSOS – Família do Sítio (Sítio dos Carneiros)
Filhos de Bernardo da Silva e Maria do Sacramento


Uma Filha de Bernardo da Silva Casado com Miguel Affonso Ribeiro
Ele português, tiveram três filhas: uma casou-se com o alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô ele casous-se 2 vezes, na segunda casou-se com minha pentavó – Ana Maria Moreira, neta de Bernardo da Silva, filha de Bernarda Maria e Fructuoso de Oliveira Maya), seu primo, filho de Antônio da Silva Carneiro, cuncunhado de Miguel Affonso; Outra teve por marido José Affonso, português; E Anna Maria da Silva, que casou-se com o capitão Manoel de Affonseca Pinheiro, também português, os filhos que tiveram morreram cedo, antes da adolescência.
A neta de Bernardo da Silva casada (minha pentavó) com o alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô) filho de Antônio Carneiro da Silva, (meu hexavô), português, tiveram dois filhos do primeiro casamento: o capitão José Carneiro da Silva que casou com Maria da Francisca da Purificação, sua prima, filha do seu tio José Affonso, e Anna da Silva Carneiro que casou-se com Tristão Gomes da Silva, seu primo, neto como ela de Bernardo da Silva , pelo Ramos dos Mayas, genro de Bernardo. Depois de viuvo, o alferes José da Silva Carneiro casou-se pela Segunda vez com sua prima Segunda Anna Maria Moreira (minha pentavó), filha do capitão Manoel José Moreira (meu hexavô), português, bisneta de Bernardo, neta de Bernarda Maria da Silva e Fructuoso de Oliveira Maya, de quem o capitão José Moreira era genro (meu hexavô). O alferes José da Silva Carneiro faleceu em 28 de Janeiro de 1854 com noventa e oito anos e três meses.
Outra neta de Bernardo da Silva teve por marido José Affonso, português, teve os seguintes filhos: José Affonso Ribeiro, que casou com Anna Maria, sua prima, filha de Ignácia Maria da Silva, uma das filhas de Antônio Carneiro da Silva (meu hexavô), e Matheus Silva Cardoso, (Petêo do Pedrão); Miguel Affonso Ribeiro, que em 1836 era juiz de paz em Serrinha, e casado com Bernarda Maria da Silva, sua prima, filha de Ignácia e Matheus da Silva Cardoso; Anna Maria, que casou com seu primo Manoel de Jesus Gouveia, bisneto como ela de Bernardo da Silva, pelo ramo dos Apollinários (Apollinário Silva, filho de Bernardo da Silva); Anna Francisca, que se casou com seu primo Matheus Carneiro da Silva, Filho de Ignácia e Matheus da Silva Cardoso; Maria Francisca da Purificação, casada com o capitão José Carneiro da Silva, filho do alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô), neto de Antônio Carneiro da Silva (meu hexavô) e bisneto como ela de Bernardo da Silva (meu septavô); Manoel Affonso Ribeiro, que em 1839 foi avaliador no inventário de Maria Francisca, mulher de José Ramos.
Netos de José Affonso, filhos de uma de suas filhas com Manoel Affonseca Pinheiro: José Pinheiro da Fonseca, que não se casou; Custódia que foi casada com João Manoel da Motta; Anna Maria da Silva, que se casou com Antônio Mattos Paim, filho de Anna Innocência da Silva, proprietária dos Sítios Umburana e Queimadas dos Moços; Bernarda que se casou com Vicente Ferreira da Silva, filho de Ignácio Pereira, do Genipapo, e Thereza, filha de Ignácio Manoel da Silva (filho de Bernardo da Silva); Antônia, que se casou com José Pereira Pinto, irmão de Vicente Ferreira da Silva, Maria Pinheiro casada com o professor Antônio Martins Ferreira, tetraneto de Bernardo da Silva (ramo M. Santiago) e pai do Padres: José Alves de Loreto, e Urbano Cecílio Martins, que depois de viuvo casou-se com Anna Francisca Carneiro, filha do capitão José da Silva Carneiro (meu pentavô). Miguel Affonso só teve filhas, porisso o sobrenome Affonso desapareceu logo na primeira geração, nem mesmo os netos de Miguel Affonso conservaram, retiveram apenas o Ribeiro, assim os dois únicos filhos de José Affonso Ribeiro, netos de José Affonso, chamavam-se José Emigdio Ribeiro e Manoel Cardoso Ribeiro, o sobrenome cardoso veio do seu avô mterno, Matheus da Silva Cardoso. Maria filha única de Miguel Affonso, casou-se com o alferes Rozendo Carneiro da Silva, netos de Matheus da Silva Cardoso, (o sobrenome Affonso é português). Portanto José Emigdio, Ribeiro, José Carneiro da Silva e José Pinheiro da Fonseca são primos carnais, mesmo com sobrenomes totalmente diferentes.
“O sobrenome nada indica, mas o parentesco é mesmo o maior laço. Esta é a razão para reconstituir a genealogia, é triste saber que existem parentes próximos que desconhecem o parentesco por não terem o mesmo sobrenome”


TETRANETOS DE BERNARDO DA SILVA
Bisnetos de Miguel Affonso Ribeiro
Netos de José Affonso, português


Filhos de José Affonso Ribeiro: tenente José Emigdio Ribeiro, que se casou com Anna Bernardina Moreira, filha de José Pinto, português e sua mulher Bernarda Archanja  Moreira, ramo dos Mayas, moravam na fazenda Sitio dos Carneiors e tiveram como filhos: José Emigdio Carneiro, Anna Maria, Antônio Pinto Ribeiro, Maria Francisca, Manoel, Deoclécio e Modesto; João Cardoso Ribeiro, que não se casou.
Filhos de Miguel Affonso Ribeiro: Maria, conhecida por Santinha, se casou com o alferes Rozendo Carneiro da Silva, se primo, filho de Matheus Carneiro da Silva e neto de Matheus da Silva Cardoso.


TETRANETOS DE BERNARDO DA SILVA
Bisnetos de Miguel Affonso Ribeiro
Netos de Manoel de Affonseca Pinheiro


Filhos de João Manuel da Motta: Tito Motta, que se casou com uma senhora do recôncavo; Antônio Motta, que se casou com uma senhora de S. Gonçalo dos Campos; Clementina, que se casou com José Dyonísio de S. Gonçalo dos Campos; Maria que se casou com o capitão Luiz Simões Ferreira, do Coração de Maria; Virgínia, Carolina e Anna, que não se casaram.
Filhos de Antônio de Mattos Paim: Maria Paim, morta em 1843, foi casada Dom Manoel da Motta, ramo dos Motta (família Tambuatá), tiveram quatro filhos: Fernando, Anna, João e Maria.; Antônia, que se casou com Manoel Pinheiro da Silva, filho de Vicente Ferreira da Silva e tetraneto de Bernardo da Silva, ramo dos Silvas (Ignácio Manoel da Silva).
Filhos de Vicente Ferreira da Silva: Maria Vicencia (Lalia), que não se casou; Antônio Ferreira da Silva, que se casou com Virgínia Ferreira Góes, filha de José Góes, e teve 2 filhos, Maria Magdalena da Posia e Jovina; Clementina da Silva Pinheiro que se casou com José Antônio da Silva; Constança da Silva Pinheiro, casada com Manoel Pedreira Marques de Freitas, que tiveram como filhos: o coronel Leôncio de Freitas, o Dr. Graciliano de Freitas, Estephanio, Genoveva casada com o coronel Marianno Silvio Ribeiro e Adelaide casada com o capitão Basílio Cordeiro; Francisca da Silva Pinheiro, que não se casou; eduarda da Silva Pinheiro, que não se casou; José Pinheiro da Silva, que se casou com Antônia filha de Antônio Mattos Paim; Jesuína, casada com João Paes Cardoso (parente de Miroró, marido de tia Liêta); Felisberto Ferreira da Silva, casado com Maria Freitas, irmã de Manoel Pedreira Marrques de Freitas; José Pinheiro da Silva.
Filhos de José Pedreira Pinto: Anna, que se casou com Joaquim Bento de Souza; Virgínia, que se casou com José Antônio da Silva; Maria Leopoldina, que se casou com o major João Pedreira das Mercês; Geronyma, que se casou com Joaquim Cordeiro; Anna Rosenda, que se casou com Francisco Cordeiro;  Maria Pinheiro, casada com o professor Antônio Martins Ferreira; Anna Maria que teve como filhos Anna Francisca, casada com o tenente Manoel de Jesus Gouveira e Maria Francisca da Purificação, casada com Matheus Carneiro da Silva, todos netos de José Affonso, Bisnetos de Miguel Affonso Ribeiro, e tetranetos de Bernardo da Silva.
Segundo documento do professor Antônio Martins Ferreira, pai dos padres Loreto e Urbano, casado duas  vezes em Serrinha, deixou um manuscrito intitulado: Genealogia da Família de Serrinha, onde ele registra o nome da mulher de Bernardo da Silva como Josepha Maria da Silva, mas na verdade, Josepha era neta de Maria do Sacramento (nome verdadeiro da mulher de Bernardo) e Bernardo, filha do capitão Apollinário da Silva, que foi interditada do uso e frutos dos seu bens herdados.


OS SILVA E OLIVEIRA – Família da Tiririca

José da Silva e Oliveira  deixou os seguintes filhos: Bernardo da Silva e Oliveira, Ludovina Maria do Espírito Santo, Leonor da Silva e Oliveira que se casou com Antônio Gonçalves Pereira, João Ferreira da Silva, Manoel, Carlota e Clementina. José da Silva Oliveira morava na fazenda Patos e era viuvo desde 1831, de Anna Rita de Jesus, irmã de Pedro da Silva e filha de Antônio Ferreira.
José da Silva Oliveira era filho do alferes José da Silva e Oliveira, em 1851, Francisco da Silva e Oliveira, Carlos Antônio de Oliveira, Miguel Archanjo de Oliveira, Felippe de Santiago Oliveira, Joaquim Oliveira, Anna Benedicta de S. Bento e Ludovina Maria de Jesus, casada com Patrício Francisco dos Santos, partilharam amigavelmente, entre si, os bens deixados por sua mãe Anna Maria de Jesus (também conhecida por Anna Maria Joaquina), falecida em 27 de Outubro de 1849, as terras da fazenda Tiririca, em Serrinha. Francisco da Silva Oliveira ficou viuvo em 10 de abril de 1854 de sua mulher Anna Custódia de Jesus, que lhe deixou cinco filhos – Anna, José Maria, Francisco e Bernarda.
Eram tios de Francisco da Silva e Oliveira: Pedro, Joanna, Ludovina e também José Coitinho. O pai dele era filho do alferes José da Silva Oliveira, de nome desconhecido.
O filho de Francisco da Silva e Oliveira conhecido por Nonô da Tiririca e sua mulher Anna Custódia, (filha de Seraphin de Oliveira Maya), registrado somente com o nome de Francisco, que nasceu em 1846.
A história genealógica deste Francisco é um pouco nebulosa, não existem registros precisos de sua ascendência.
O que se sabe ao certo é que ele era filho de um irmão de José da Silva e Oliveira , inventariado em 1840.


OS SILVAS – Família do Genipapo

Ignácio Manoel da Silva (meu octavô), filho de Bernardo teve três filhos: capitão Antônio Manoel da Silva (meu septavô), que se casou com Ignácia Maria de Lima (minha septavó), foi procurador da casa da Ponte e morou na fazenda Pedra; D. Thereza de Jesus Maria, que faleceu em 1846, se casou com Ignácio Gonçalves Pereira e morou no Genipapo e Felicidade que não se casou.
O capitão Antônio Manoel da Silva (meu septavô), teve com Ignácia Maria de Lima (minha septavó) 8 filhos: João Manoel da Silva, casado, Antônio Manoel da Silva, que não se casou José Manoel da Silva, aleijado, que também não se casou; Anna Maria da Silva, que também não se casou; Maria, que se casou com Manoel Hilário de Araújo e foi morar em Conceição do Coite (Cuyaté); Antônia, que se casou com Affonso da Silva Cardoso, filho de Affonso Martins da Silva e sua mulher Maurícia Ribeiro da Silva, do Pedrão, de onde se mudou em 29 de janeiro de 1821 para Serrinha, casando-se em 10 de outubro do mesmo ano e fixou moradia na fazenda Vargem Velha; Ignez que se casou com José Alexandre de Araújo; Rosa Maria de Lima (minha hexavó) que se casou em 21 de outubro de 1821 com Francisco Joaquim de Araújo (meu hexavô), seu primo e irmão de José Alexandre de Araújo, e faleceu em 2 de abril de 1871, com 65 anos de idade.
Thereza de Jesus Maria teve sete filhos: Geronymo Gonçalves Pereira; José Ramos de Oliveira, que se casou duas vezes, primeiro com Maria Francisca de Oliveira, filha de Antônio Manoel da Motta, (ela ficou viuva 2 vezes), e pela Segunda vez com Maria Ramos, da Serra Grande, e moreu em 26 de outubro de 1847; Vicente Ferreira da Silva, que se casou com Bernarda da Silva Pinheiro, filha do capitão Manoel de Affonseca Pinheiro, ramo dos Affonsos, ela morreu em 1878,; José Pinheiro Pinto, que foi casado com Antônia da Silva Pinheiro, filha do capitão Manoel de Affonseca Pinheiro e irmã da mulher de Vicente Ferreira da Silva e morou no Morro da Ponbas; Joaquim Manoel da Silva, Juca, que se casou com Maria das Mercês, filha de Custódio Ferreira Passos e Rosaria do Calando; Maria da Penha, que se casou com Manoel Ferreira de Oliveira, filho de Manoel Ferreira Santhiago, ramo dos Santhiago (Serra Grande) e Anna, Tia Naninha que não se casou.
Não são conhecidos todos os tetranetos de Bernardo da Silva, por via do seu neto capitão Antônio Manoel da Silva, da Pedra. João Manoel da Silva, casado, teve sete filhos: Maria que se casou com Plácido José Ferreira e outra com Ricardo Ferreira de Oliveira (aquela velha história das mulheres não serem registradas, elas praticamente não tinham identidade, quando muito tinham o primeiro nome); Maria, casada com Manoel Hilário de Araújo, do Coité, e teve os seguintes filhos: João Paulo de Araújo, que se casou com Maria Francisca de Jesus, a muda, filha de Manoel Joaquim de Oliveira e Maria Francisca de Jesus, ramos dos Mottas e dos Santhiagos, que faleceu em 1851, deixando os seguintes filhos: Manoel Francisco da Silva que depois passou a se chamar Manoel Paulo de Araújo, Anna Firmina da Silva, que casou com Antônio Manoel de Oliveira, Pedro Francisco da Silva, que morreu na adolescência, e Josepha Alexandrina da Silva, e, depois de viuvo casou-se com Maria Cardosa da Silva, que faleceu em 1860, de cujo casamento teve Maria Ritta, Victoriano, Manoel, José Germano e Francisca; Joaquim Rufino de Araújo, que se casou com Maria Josepha, filha de Custódio Francisco Junqueira, português, e Antônia, filha de Apollinário Ferreira, (da Serra Grande); José Lopes da Silva, casado com Maria do Carmo, filha de João Pinheiro Alves de Souza; Manoel Hilário de Araújo, que se casou com Maria, Mariinha, filha de Manoel Ferreira da Silva; Lino; Cândido, que não se casou; Rosalina Maria de Jesus, que se casou, primeiro com José de Oliveira Santhiago, que faleceu em 1850, de quem teve como filhos: José Izidro de Oliveira, Malachias José de Oliveira, Joaquim José de Oliveira, Manoel José de Oliveira, José, Maria Rosalina de Jesus, Anna, Josepha Jacintha, Quintiliano, e Maria, e em segundo casamento com Plácido José Ferreira; Senhorinha, que se casou com Pedro dos Patos, filho de Antônio Pedro da Silva.
Antônia (filha de Antônio Manoel da Silva) e seu marido Affonso da Silva Cardoso tiveram com o filhos: Antônio Manoel da Silva (neto), que não se casou; João Paes Cardoso (parentes de tio Miroró, marido de Tia Liêta), que foi casado com Jesuina, filha de Vicente Ferreira da Silva; Manoel Cardoso da Silva, que se casou com Anna Maria, filha de José Alexandre de Araújo; Maria Maximiana de Jesus, que foi casada com Gordiano de Souza Estrella; Anna das Brotas, que se casou com José Alexandre de Araújo, viúvo de Ignez sua tia; Francisca Clementina do Amor Divino, que foi casada com Manoel Joaquim de Araújo, viuvo de Maria Alexandrina, Ritta Maria de Jesus, que se casou com Geraldo da Silva Mendonça; Maria Ritta de S. Joaquim e Antônia Francisca de Jesus.
Os filhos de Ignez e seu marido José Alexandre de Araújo foram: Manoel Longuinhos de Araújo que se casou em Coité com  com Joanna Cyrylla, irmã do coronel João Manoel Amâncio; Leôncio, Manoel, José João, Joaquim e Antônio. Maria Alexandrina casada com seu primo Manoel Joaquim do Nascimento; Constança casada com se primo João Manoel de Araújo, irmão de Manoel Joaquim do Nascimento ; Anna Maria José, casada com Manoel da Silva Cardoso, e Antônia Maria de Jesus, que faleceu em 1886, casada com Manoel Vicente de Souza, tiveram os seguintes filhos: Maria Amália Cardoso, casada com José Pedro Cardoso, Antônio Marques de Souza, Eduviges Leonor de Souza, José Olympio de Souza e Maria que moravam na Chapada (fazenda do meu bisavô – Antônio Alves da Silva, pai de minha vó Blandina).
Rosa Maria de Lima (minha hexavó), que se casou em 21 de outubro de 1821 com Francisco Joaquim de Araújo (meu hexavô), faleceu em 2 de abril de 1871 com 65 anos e tiveram os seguintes filhos: Maria Carolina de Lima, nascida em 28 de fevereiro de 1823 e faleceu em 13 de dezembro de 1904 e não se casou; Alexandrina Maria de Lima, que nasceu em 28 de março de 1825 (minha pentavó), casou-se com Joaquim Ferreira de Oliveira (meu pentavô), e tiveram como filhos: Antônio, coronel José Ferreira de A. Oliveira, Redogina Maria de Lima, nascida em 13 de março de 1835 e faleceu em 9 de dezembro de 1917, (minha tataravó, mãe do pai de voinho André), casada com Manoel Francisco de Oliveira (meu tataravô, pai do pai de vô André), José Pedro, Joaquim, Manoel Joaquim do Nascimento, nascido em 25 de dezembro de 1828
e faleceu em 13 de março de 1886, casado em primeiramente com Maria Alexandrina , que faleceu em 18 de dezembro de 1854 e depois com Francisca filha de Affonso da Silva Cardoso, e Miguel que faleceu no dia 5 de junho de 1868; João Manoel de Araújo Nascido, nascido em 6 de março de 1886, casado com Constança, filha de seu tio José Alexandre de Araújo, e falecido em 6 de agosto de 1900; capitão José Joaquim de Araújo, (pai de Dr. José Antônio de Araújo, escritor do livro “A Família de Serrinha” de onde tirei a maior parte das informações para desenvolver o estudo de minha Genealogia), nascido em 1º de maio de 1831, casou-se primeiramente com em 18 de setembro de 1856, com Antônia Clementina Moreira Pinto, (mãe do supracitado escritor), filha do português Manoel José Pinto e sua mulher Bernarda Archangela Moreira, que faleceu em 28 de maio de 1871, e tiveram como filhos: padre José de Cupertino e Araújo Lima, Cecília, que não se casou, Maria Hermínia de Araújo Ribeiro, Sinhá Lia, viuva do major Sumphronio Cardoso Ribeiro, Reginaldo, que morreu em 1877, Laudelina Cândida de Araújo, Sinhá Dona, solteira, bacharel Antônio José de Araújo, juiz de Direito de Jacobina (o escritor acima) e Joaquim José de Araújo, que faleceu em 11 de janeiro de 1886. O capitão José Joaquim de Araújo, casou-se pela Segunda vez em 13 de dezembro de 1871, com Carolina carneiro, filha do capitão José Caneiro da Silva e sua mulher Geronyma, falecida em 28 de agosto de 1909, deixando deste casamento como filhos: padre José Alfredo de Araújo, professora Josephina, casada com Afro Freitas e Etelvina casada com Rosalvo Mendonça, Dr. Salvador Reginaldo de Araújo, João Ferreira de Araújo, Carolina, Alzira, Amélia e Elisa casada com Antônio Freitas, comerciante de Beritingas; Anna Senhirinha de Lima, nascida em 1º de abril de 1833 e falecida em 25 de Janeiro de 1913; Redogina Maria de Lima, (minha tataravó, mãe do pai de voinho André), nasceu em 13 de março de 1835 e faleceu em 9 de dezembro de 1917, foi casada com Manoel Francisco de Oliveira (meu tataravô, pai do pai de vô André), tiveram como filho Antônio Francisco de Oliveira (meu bisavô, pai de vô André); e Antônio Joaquim de Oliveira, que nasceu  em 9 de maio de 1839, casou-se comn Anna, filha de Joaquim José de Oliveira e de Joanna Pimentel,  e faleceu em 9 de julho de 1886.
Os tetranetos de Bernardo da Silva, bisnetos Ignácio Manoel da Silva (meu octavô), netos de Antônio Manoel da Silva (meu septavô), que se casou com Ignácia Maria de Lima, filhos de D. Thereza de Jesus Maria, que faleceu em 1846, casada com Ignácio Gonçalves Pereira foram: Gerônymo Gonçalves Pereira, uma casada com Vicente Ferreira da Silva, José Ramos de Oliveira , falecido em 26 de outubro de 1847, casado primeiramente com Maria Francisca, filha de Antônio Manuel da Motta (Tambuatá), no segundo casamento com Maria Ramos, não teve filhos; José Pereira Pinto que teve como filhos: Anna, que se casou com Joaquim Bento de Souza, Virgília que se casou com José Antônio da Silva, Maria Leopoldina que se casou com o major João Pereira das Mercês, Cecília, que não se casou, Gerônyma, que se casou com Joaquim Cordeiro, pais de Basílio Cordeiro de Almeida, e Anna Rosenda, que se casou com Francisco Cordeiro, pais de José Cordeiro de Almeida, os filhos de Maria da Penha, casada com Manoel Ferreira de Oliveira; Joaquim Manoel da Silva, Jaca, que se casou com Maria das Mercês e não deixou descendência.


OS MOTTAS – Família do Tambuatá

Bernardo da Silva já morava na fazenda Tambuatá em 1716, segundo relato de Quaresma. Consta de uma escritura pública que em 2 de dezembro de 1785, a fazenda Tambuatá foi vendida por Fructuoso de Oliveira Maya e sua mulher Bernarda Maria da Silva à Francisco Manoel da Motta, notas do tabelião Luiz Antônio Vieira, da Freguesia da Água Fria.
Antônio Manoel da Motta teve os seguintes filhos: Antônio Manoel da Motta, que se casou com Anna Maria, sua prima e filha de Domingos Ferreira Santhiago e sua mulher Antônia Maria (da Serra Grande); uma filha casada com Francisco Moncorvo, de Cachoeira; Emerenciana, casada com Apollinário Ferreira, fundador da fazenda Lagedo, ramos dos Santhiagos; uma filha casada com José Ferreira de Oliveira, (de Dois Irmãos); Josepha, casada com Antônio Ferreira de Oliveira Santhiago  e foram morar em Massaranduba.
Antônio Manoel da Motta Filho, teve os seguintes filhos: Padre Antônio Manoel de Oliveira (do Retiro); Francisco Manoel da Motta, que se casou com Josepha; José Manoel da Motta que se casou com Anna Francisca; Anna Maria de Oliveira, que se casou com José da Cunha Araújo, de Coité; Maria Francisca de Jesus, inventariada em 1839, foi casada em primeiramente com Manoel Joaquim de Oliveira e depois com Antônio Joaquim de Oliveira e pela terceira vez com José Ramos de Oliveira, que faleceu em 26 de outubro de 1847; Maria Josepha, que se casou primeiramente com Custódio Francisco Joaquim , português, pela segunda vez com Antônio Gonçalves de Araújo (de S. Caetano); uma filha casada com Antônio Ferreira Santhiago, e outra casada com  Vicente Ferreira Ramos, (dos Santhiagos), que depois de viuvo casou pela Segunda vez com Maria Francisca (de Coité), que faleceu em 1867.
Emerenciana, casada com Apollinário Ferreira, teve muitos filhos.
A filha casada com José Ferreira de Oliveira (Dois Irmãos), teve sete filhos.
Josepha, casada com Antônio Ferreira Santhiago, teve três filhos.
No tópico relativo aos Santiagos, relatarei mais sobre estas famílias.


TETRANETOS DE BERNARDO DA SILVA
Bisnetos da filha casada com Manoel da Motta
Netos de Antônio Manoel da Motta Filho


Filhos de Francisco Manoel da Motta (Tambuatá), Seraphim Manoel da Motta, casado primeiramente com Maria Paim da Silva, filha de Antônio de Mattos Paim (ramos dos Affonsos), inventariada em 1843, deixando os seguintes filhos: Fernando, Anna, Joanna e Maria e terras no Marruaz, e em segundo casamento com Ludovina Coitinho; Frnacisco – Chiquinho do Retiro, que se casou com Benedicta e moreu no mesmo dia em que ela morreu; Maria Francisca, que se casou com Angelo José  de Oliveira, que faleceu em 22 de maio de 1850, viuvo de Maria Jesuina, que tiveram como filhos, Anna, que se casou com José Carneiro de Oliveira. José Francisco e Virgínia, que se casou com Antônio Joaquim de Araújo; Francisca, que se casou com José Martins Valverde, viuvo de Maria Francisca da Silva, falecida em 1842.
Filhos de José Manoel da Motta: Zezinho (do Saquinho); Chiquinho; Vicente (do Caldeirão) Silveira e Anna, casada com José Marcellino.
Filhos de Anna Maria de Oliveira casada com José da Cunha Araújo (meus septavós): José Alexandre de Araújo, que se casou primeiramente com Ignez, filha do capitão Antônio Manoel da Silva (ramo dos Silvas) e depois casou-se com Anna, filha de Affonso Martins da Silva, e neta do capitão Antônio Manoel da Silva, portanto sua sobrinha; Francisco  Joaquim de Araújo (meu hexavô), que faleceu em 25 de dezembro de 1891 com 93 anos, e foi casado com Rosa Maria de Lima (minha hexavó), filha do capitão Antônio Manoel da Silva (meu septavô); José Antônio, que se casou com Dona, irmã de Luiz Gonçalves, Luizinho (da Tábua); Manoel José da Cruz; Joaquim de Araújo; Maria Francisca de Araújo, que se casou com Luiz Gonçalves, Luizinho, e Anna, Naninha, que se casou com Antônio Joaquim de Almeida, que teve três filhas: Maria Innocência, casada com Francisco Ferreira da Silva, Anna Francisca casada com José Justiniano de Lima Branco, e Antônia casada com Francisco José de Araújo.
Filhos de Maria Francisca de Jesus, casada primeiramente com Manoel Joaquim de Oliveira, seu primo: Antônio Manoel da Motta e José de Oliveira, do segundo casamento com Antônio Joaquim de Oliveira Maria, casada com João Paulo de Araújo, e do terceiro casamento com José Ramos de Oliveira: Maria Francisca que se casou com José Martins Valverde, Angelo Ramos de Oliveira, mudo, João Nepumuceno Ramos, mudo, e Innocêncio Ramos de Oliveira.
Filhos de Maria Josepha, casada com Custódio Francisco Junqueira: Custódio, que se casou com uma filha de José Alves Ferreira (Cajueiro); Francisco Brasileiro, que casou com Custódia, filha de José Alves Ferreira (Cajueiro); e Maria, que se casou com Joaquim Rufino de Araújo.


OS SANTHIAGOS – Família da Serra Grande

Dos filhos de Bernardo da Silva o que lhe deu maior descendência foi Antônia Maria da Silva. Casou-se com Domingos Ferreira Santhiago, natural de Iguape, foi morar na fazenda Serra Grade, que em 1716 foi comprada, com as fazendas Dois irmãos e Massaranduba de propriedade de D. Isabel Maria Guedes de Britto, viuva do capitão Antônio Homem da Affonseca Correia.
Antônia Maria da Silva teve do seu casamento com Domingos Ferreira Santhiago os seguintes filhos: José Ferreira de Oliveira, que se casou com uma filha de Antônio Manoel da Motta (Tambuatá); Joaquim Ferreira Santhiago, que se casou com uma senhora da fazenda Trindade; Manoel ferreira Santhiago, que se casou primeiro com uma senhora da fazenda Picada, no arraial de Pedrão, e depois casou com Maria da Conceião, da fazenda Cajueiro; Antônio Ferreira Sanhtiago, se casou com Josepha, filha de Antônio Manoel da Motta, (Tambuatá), Apollinário Ferreira, que se casou com Emerenciana, filha de Antônio Manoel da Motta (Tambuatá); Anna do Rosário que não se casou; Josepha que se casou com João Pinheiro Alves de Souza, irmão da mulher do capitão Apollinário da Silva; Bernardina, que se casou com Antônio Gonçalves Pereira; Cypriana que se casou com Pedro da Silva  e fundou a fazenda Candeal; Anna Maria que se casou com Manoel da Motta (Tambuatá) e fundou a fazenda Retiro, e duas filhas casadas respectivamente com Matheus da Silva Cardoso, que também foi marido de Ignácia, filha de Antônio Carneiro da Silva (meu hexavô)
Filhos de José Ferreira de Oliveira: Antônio Ferreira de Oliveira, que se casou com Anna Joaquina de Jesus, filha de João Pinheiro Alves de Souza; José Ferreira de oliveira, falecido em 1846, casou-se com Anna Francisca da Silva, filho de Matheus da Silva Cardoso; Francisco Ferreira da Ressureição, que se casou com Maria do Carmo, filha de João Pinheiro Alves de Souza; Manoel Joaquim de Oliveira, Casado com Maria Francisca, filha de Antônio Manoel da Motta (Tambuatá); Antônio Joaquim de Oliveira, que se casou com sua cunhada Maria Francisca, viuva do seu irmão Manoel Joaquim; Ignácia casada com José Pinheiro Alves de Souza, ela faleceu em 1860, e Anna Maria, que não se casou.
Filhos de Joaquim Ferreira Santhiago: Antônio Alves Ferreira Santhiago, que se casou com uma filha de José Gonçalves Pereira e não teve filhos; José Ferreira Santhiago: José Alves  Santhiago, Meu Alves; Francisco, Xico Bufa, que se casou com Maria Thomásia, filha de Manoel José Pirajá; Maria Josepha, que se casou com um Gonçalves Pereira, Domingos ou Antônio; Ignácia que se casou com José Alves Queiroz.
Filhos de Manoel Ferreira Santhiago: Vicente Ferreira Ramos, que se casou com primeiramente com uma filha de Antônio Manoel da Motta, (Tambuatá), e depois com Maria Francisca de Jesus, do Coité, falecida em 1867; Manoel Ferreira de Oliveira, que casou com Maria Penha, filha de Ignácio Gonçalves Pereira, (Genipapo); José Alves Ferreira, que se casou com Maria Joaquina, filha de Antônio Ferreira Santhiago; Zacharias Ferreira da Silva e Oliveira, que se casou com Anna, filha de Custódio Ferreira Passos, do Calando; José Ferreira de Carvalho, que nasceu em 1783 e morreu em 1866, casou-se com Maria Rosparia de Lima, filha de Antônio Martins da Silva, do Pedrão, e irmã do padre José Alves; Antônio Alves de Carvalho, que se casou com Felicidade, irmã de Antônio Manoel, de Feira de Santana; Antônio Ferreira de Oliveira, que se casou com Ritta Cunha, da Queimada; Thereza, que se casou com Joaquim Gonçalves Pereira; Maria da Corôa, que se casou primeiro com Antônio Ferreira Santhiago e depois com Luiz Lopes da Silva.
Filhos de Antônio Ferreira Santhiago: Antônio Ferreira Santhiago Filho, que se casou primeiro com uma filha de Antônio Manoel da Motta (Tambuatá) e depois com Maria da Corôa, filha de Manoel Santhiago; João Apollinário Ferreira, que se casou co Joanna, filha de Apollinário Ferreira (Cantinho); Anna Maria, que não se casou; Maria Joaquina que foi caxada com José Alves Pinheiro.
Filhos de Apollinário Ferreira: Antônio Ferreira, Antônio, que se casou com  Francisca, filha de José Nazario da Costa; Antônia que se casou com Custódio Francisco Junqueira, português; Theodora e Marianna, que não se casaram; Josepha, que se casou com Leonardo, português, e teve uma filha conhecida por Finca; Joanna, casada com João Apollinário; Maria Josepha, Consolo, casada com Antônio Gonçalves Ferreira, Gangorra; e uma filha casada com José Vicente da Costa.
Filhos de Josepha casada com João Pinheiro Alves de Souza: José Pinheiro Alves de Souza, que se csou com Ignácia, filha de José Ferreira (Dois Irmãos); José Alves Pinheiro, casado com uma senhora de Água Fria; Anna Joaquina, Anninha da Vargem, casada com Antônio Ferreira de Oliveira, filho do José Ferreira (Dois Irmãos); Josepha, que se casou com o capitão Joaquim Ferreira Baptista, (Inhambupe); Maria do Carmo, que foi casada primeiramente com Francisco da Ressureição e depois com José Lopes da Silva; Felicidade, que se casou com Antônio de Carvalho, português.
Filhos de Bernardina, casada com Antônio Gonçalves Pereira (Saquinho): Antônio Gonçalves Pereira (Gangorra), que se casou primeiramente com Maria Josepha – Consolo, filha de Apollinário Ferreira, e pela Segunda vez com uma filha de Manoel José Pirajá, e pela terceira vez com Antônia, filha de José Alves Ferreira (Brejo); Domingos, casado com Maria Josepha, filha de Joaquim Ferreira Santhiago (Brejo); José Gonçalves Pereira, casado com Maria Sant’Anna, filha de Matheus da Silva Cardoso, no seu casamento com uma filha de Domingos Ferreira Santhiago e Antônia Maria (Serra Grande); Joaquim Pereira Gonçalves, falecido em 1846, casado com Maria Vicência de Oliveira, filha de José Ferreira de Oliveira, que do casamento que teve com Maria, casada com João Paulo de Araújo, sua segunda mulher , Anna casada com José Ferreira de Oliveira Gomes, Maria Francisca, Maria Clementina, Antônia, Bernarda, Joaquim, Jesuina e Ludovina; Francisco Gonçalves, casado com Maria Finca, filha de Custódio Francisco Junqueira; José de Oliveira e Manoel Gonçalves; Anna, que se casou com Antônio Joaquim Gonçalves (Coité), irmão de Luiz Gonçalves, Luizinho e Francisca que se casou com Prudente Manoel da Silva (Candeal).
Filhos de Cypriana, casada com Pedro da Silva (Candeal): Prudente Manoel da Silva, que se casou com Francisca, filha de Antônio Gonçalves Pereira, e José Felix, que não se casou.
Filhos de Anna Maria, casada com Antônio Manoel da Motta (Tambuatá)
Filhos da filha casada com Costa: Nazario José da Costa, que não se casou, José Nazario que se casou com Josepha, filha de Apollinário Ferreira – Barro; José Vicente da Costa que também se casou com uma filha de Apollinário Ferreira (Sucupira), e Anna Maria, que se casou com Manoel José Pirajá (Sitio do Meio).
Filhos da filha casada com Matheus da Silva Cardoso: Josepha casada com Francisco Gomes, Maria Sant’Anna casada com José Gonçalves Pereira e Anna Casada com José Ferreira de Oliveira (Dois Irmãos).


TETRANETOS DE BERNARDO DA SILVA
Domingos Ferreira Santhiago e Antônia Maria


Joaquim Ferreira de Oliveira (meu Pentavô), Pimpim, casado com Alexandrina Maria de Lima (minha Pentavó), Filha de Francisco Joaquim de Araújo (meu Hexavô) e Rosa Maria de Lima (minha Hexavó); Antônio Ferreira de Oliveira, casado primeiramente com Maria Joaquina, filha de Francisco Ferreira da Ressureição, e em segundo casamento com uma filha de de Plácido José Ferreira (Pombal), Miguel Ferreira de Oliveira, (segundo indicação de tio totônio no livro, ele era bisavô do pai dele, ou seja era meu Hexavô por parte de minha vó Blandina), Casado em com Constança de Oliveira de cojo casamento teve Anna Maria, Antônio Ferreira de Oliveira e Gaspar Ferreira de Oliveira; Tertuliano Ferreira de Oliveira, Lino Casado com Rosenda, filha de José Martins Valverde (Carrapato); Maria Francisca de Oliveira, casada com Joaquim Carneiro da Silva, filho do capitão José Carneiro da Silva; Anna Francisca (São João), que se casou com José Pedro Coitinho (Tiririca); Claudina Ferreira de Oliveira – Senhorinha, que se casou com Fosé Ferreira Cannabrasil (todos filhos de Antônio Ferreira de Oliveira, e netos de José Ferreira Oliveira); José Martins Valverde que se casou primeiro com Maria Francisca da Silva, filha de José Ramos de oliveira e Maria Francisca de Jesus, falecida em 1842, e tiveram como filhos: Anna e José Martins Valverde, e no segundo casamento com Francisca, filha de Francisco Manoel da Motta, (Tambuatá), e no terceiro casamento com uma fulha do capitão João Gomes de Carvalho; Maria Vicência, que se casou com Joaquim Pereira Gonçalves (Socavão), falecido em 1846 (filhos de José Ferreira de Oliveira e netos de José Ferreira de Oliveira (Dois Irmãos); Ricardo Ferreira de Oliveira, falecido em 1864, e foi casado com Francisca Maria de Jesus, filha de José Manoel da Silva (Boi Manso), e deste casamento tiveram os seguintes filhos: José Thome de Oliveira, Manoel Barnabé, Anna Maria de Jesus, Maria Rosenda, Marcolina, Antônio e Josepha; Maria Joaquina, que se casou com Antônio Ferreira de Oliveira (filhos de Francisco Ferreira da Ressureição e netos de José Ferreira de Oliveira (Dois Irmãos); Antônio Manoel da Motta, casado Dom Francisca Rosa de Lima, filha de José Francisco de Carvalho (Carrapato); José de Oliveira, casado com Rosalina, filha de Manoel Hilário de Araújo, ramo dos Silva (filhos de Manoel Joaquim de Oliveira casada com Maria Francisca de Jesus, filha de Antônio Manoel da Motta (Tambuatá), e netos de José Ferreira de Oliveira); Maria, muda, que se casou com João Paulo de Araújo (filha de Antônio Joaquim de Oliveira e sua mulher Maria Francisca de Jesus, viuva do seu irmão Manoel Joaquim, e neta de José Ferreira de Oliveira); João Ferreira de Oliveira, casado em primeiras núpcias com Maria de Jesus, filha de Antônio Ferreira Santhiago, e depois com Anna, filha de José Gonçalves Pereira (Brejo); Antônia, que se casou com Antônio Ferreira da Motta; Vicente Ferreira de Araújo, que se casou com Maria Alexandrina da Silva, inventariada em 1866 e tiveram como filhos: Manoel, Maria, Anna, Antônia, e Constança; Antônio Manoel de Araújo; Marianna Maria de Jesus, que faleceu em 1867, casada com Joaquim Pinheiro de Carvalho, e tiveram como filhos: Maria, casada com Miguel Alves Santhiago, Manoel Pinheiro, Antônio, José, João e Joaquim; Maria da Porciumcula de Oliveira, casada com Florêncio Ferreira da Silva; Maria Ritta de Jesus, casada  com José Longuinho da Cunha (netos de Manoel Ferreira Santhiago e Filhos de Vicente Ferreira Ramos, os dois primeiros com sua primeira mulher, filha de Francisco Manoel da Motta, e os demais com sua Segunda mulher Maria Francisca – Coité); Joaquim Manoel de Oliveira que não se casou; Sulpício Ferreira de Oliveira, casado com Ritta Carneiro, filha de Matheus Carneiro da Silva, e teve os seguintes filhos: Sulpício Trancolino de Oliveira, Joaquim Carneiro de Oliveira, Cândido Carneiro de Oliveira, e Anna Rita Carneiro de Oliveira, que casou-se com Joaquim Quintino de Oliveira e tiveram como filhos: Maria, Isaias, Anna e Idallina; Geronyma, Loló, que se casou primeiro com Zacharias Gonçalves Pereira e, depois com o Capitão José Carneiro da Silva (zuza do Mandacaru); Justina que se casou com Ludovico Antunes de Carvalho, primeira mulher; Anna, que se casou com o tenente coronel Joaquim Carneiro de Campos, primeira mulher; Joanna, que foi casada com o capitão Antônio Cardoso Ribeiro (filhos de Manoel Ferreira de Oliveira e sua mulher Maria da Penha, e netos de Manoel Ferreira Santhiago); Manoel Ferreira Santhiago, casou-se com uma filha de Zacharias Ferreira da Silva Oliveira; Anna, que  se casou com Manoel Alves Campos; Maria Eleutéria, que casou-se com Francisco Brasileiro; Antônia, que se casou com Custódio e depois com Antônio Queiroz (Gangorra); Rosalina, que casou-se com Antônio Manoel; Joanna, que casou-se com José Ferreira da Silva (filhos de José Alves Ferreira, e Maria Joaquina e netos de Miguel Ferreira Santhiago); Joaquim Ferreira da Silva, casado com uma filha de Joaquim Alves de Queiroz; José Ferreira da Silva casado com uma filha de José Alves Ferreira (San Crhisto), Capucho; Zacharias Ferreira da Silva, casado com Theodora Maria de Jesus, filha de Vicente Ferreira Ramos, Campo Redondo; Maria Messias, casada com Ângelo Ferreira de Carvalho; Francisca Rosa, casada com Luiz Lopes Ferreira da Silva; (filhos de Zacharias Ferreira da Silva Oliveira e netos de Manoel Ferreira Santhiago); Angelo Ferreira de Carvalho, casado primeiro com Anna Bernardina Moreira, filha de Francisco Manoel Amâncio da Cunha, ramo dos Mayas, e no segundo casamento  com Maria Messias, filha de Zacharias Ferreira da Silva Oliveira; Antônio Martins Ferreira (autor da Genealogia da Família de Serrinha, livro do qual foram extraídas várias informações aqui registradas), que se casou primeiramente com Maria, filha do capitão Manoel de Affonseca Pinheiro, e não teve filhos, e em segundo casamento cm uma filha do capitão José Carneiro da Silva, com quem teve cinco filhos; Fabiano de Carvalho, que se casou com Maria Moreira do Raso, ramo dos Mayas; Ludovico Antunes de Carvalho, que se casou com Justina, filha de Manoel Ferreira de Oliveira, e com Rita, Rita, filha de Pedro Alves Pinheiro; Francisca Rosa de Lima, que se casou com Antônio Manoel da Mota (Pedra); Antônia, que se casou com Angelo Pastor Ferreira; Carlota; Maria Fidelis, casada com José Thomé Ferreira (filhos de José Ferreira de Carvalho e netos de Manoel Ferreira Santhiago); Virgínio Ferreira de Oliveira, casou-se com Ritta Constantina, filha de José Ferreira de Carvalho (Madeiras); Angelo Pastor Ferreira, que se casou com Antônia, filha de José Ferreira de Carvalho – Camamum; João Ferreira de Oliveira, casado com Maria, filha de João Ferreira de Oliveira, casado com Maria, filha de Antônio Manoel da Motta (Caldeiraão); Anna, que se casou com Hygino Ferreira da Motta; Antônia, casada com Satyro Lopes Guimarães (filho de Antônio Ferreira de Oliveira e sua mulher Ritta da Cunha e netos de Manoel Ferreira Santhiago e sua Segunda mulher Maria da Conceição); Zacharias Gonçalves Pereira, casado com Geronyma, filha de Manoel Ferreira de Oliveira (Genipapo); Maria da Conceição, que se casou com Antônio Alves Pinheiro (filhos de Thereza e Joaquim Gonçalves Pereira, netos de Manoel Ferreira Santhiago); Luiz Lopes Ferreira da Silva, casado com Francisca Rosa, filha de Zacharias Ferreira da Silva Oliveira; Vicente Lopes de Araújo, casado com uma filha de Cláudio Lopes (Cantinho); Pedro Lopes da Silva, casado com uma filha de Zacharias Ferreira da Silva Oliveira (Cantinho); Francisco Lopes (Poço) (filhos de Luiz Lopes da Silva e sua mulher Maria da Corôa), que com seu primeiro marido, Antônio Ferreria Santhiago, teve um filho: José Thomé Ferreira, e netos de Manoel Ferreira Santhiago); Antônio Ferreira da Motta, casado com Antônia, filha de Vicente Ferreira Ramos, (Licory); Maria de Jesus, casada com João Ferreira de Oliveira; José Thomé Ferreira, casado com Maria Fidelis, filha de José Ferreira de Carvalho (Raso); João que se casou com uma filha de Antônia (Pé-da-Serra – Cantinho), e Honorata, que se casou com Matheus, filho de José Gonçalves Pereira (filhos de Antònio Apollinário Ferreira e netos de Antônio Ferreira Santhiago); os netos de Antônio Ferreira Santhiago, filhos de Maria Joaquina e José Alves Ferreira, também netos de Manoel Ferreira Santhiago; José Francisco Junqueira, que faleceu em 1841, casou-se com Anna Christina de Jesus, filha de José Pinheiro Alves de Souza (Dois Irmãos), com quem teve uma filha, Maria, que nasceu em 1829; Antônio Francisco Junqueira, foi casado com Victória, filha de José da Silva (Lagedo); Maria Finca, que casou-se com Francisco Gonçalves, Pereira (filhos de Antônia casada com Custódio Francisco Junqueira, e netos de Apollinário Ferreira); Antônio Manoel de Oliveira, casado com Maria Rosa, filha de José Alves Ferreira (Brejo); Josepha, que se casou com José Ferreira  (Brejo); Francisca que se casou com Antônio Ferreira (Brejo) (filhos de Josepha casada com José Nazario e netos de Apollinário Ferreira); Filhso de Joanna, casada com João Apollinário  Ferreira; Anna, que se casou com Antônio Gonçalves (Coité) (filhos de Vicente e nete de Apollinário Ferreira); Pedro Alves Pinheiro, falecido em 1876, casado com Isabel Carolina de Souza, filha do alferes Coelho, e tiveram como filhos Ritta Alves Pinheiro, casada com Ludovico Antunes de Carvalho; Antônia Pinheiro de Souza, casada com Antônio Alves Pinheiro, Anna Carolina de Souza, casada com Miguel Antunes de Oliveira, João Alves Pinheiro, Antônio Alves Pinheiro e Pedro Alves Pinheiro Filho; Alferes Antônio Alves Pinheiro, casou-se com Maria da Conceição, filha de Joaquim Gonçalves Pereira (Mucambo);Anna Christina, que casou-se com José Maria Ferreira da Motta, com quem teve um filho, Virgínio; Maria Ramos de Jesus, casou-se com José Ramos de Oliveira, filho de Thereza – ramo dos Silvas, e viúvo de Maria Francisca (Tambuatá), e tão tiveram filhos (filho de José Pinheiro) Alves de Souza, e Ignácia e netos de Josepha e João Pinheiro Alves de Souza); Anna Joaquina que se Casou com Antônio Ferreira de Oliveira; coronel Ezequiel, Antônio Joaquim e uma senhora, filho de Josepha casada com Joaquim Baptista (Inhambupe), netos de João Pinheiro Alves de Souza; filhos de Maria do Carmo: Onofre, Miguel, Maria e uma outra. (filhos de Felicidade e seu marido Antônio Carvalho, netos de João Pinheiro Alves de Souza); Antônio, o gago, Maria casada com Joaquim Affonso; José Gonçalves Pereira (filhos de Antônio Gonçalves Pereira – Gangorra – e netos de Antônio Gonçalves Pereira e Bernarda); José Gonçalves Pereira, casado com Maria Eleutéria de Jesus, filha de José Alves Pereira (Ichú) (filhos de Joaquim Gonçalves Pereira e netos de Antônio Gonçalves Pereira); Matheus, casado com Honorata; Ana, casada com João Apollinário ferreira; Anna, casada com Antônio Ferreira de Oliveira; Maria casada com Antônio Ferreira Santhiago (filhos de José Gonçalves Pereira e netos de Antônio Gonçalves Pereira e Bernarda); Antônio Manoel de Oliveira, casado com Maria Rosa, filha de José Alves Ferreira (Barro); Francisca, que se casou com Antônio Ferreira; Josepha que se casou com José Ferreira, (filhos de José Nazario e netos de Costa); Anna, que se casou com Antônio Gonçalves (Coité) (filha de José Vicente e neta de Costa); José Quintiliano, que se casou com Magdalena, filha de Antônio Lopes;  José da Costa, que não se casou; Maria Thomázia, que se casou com Francisco Santhiago; Margarida, que se casou com Vicente de Andrade (Tamarindo); uma filha que se casou com Francisco da Salgada e Antônio Gonçalves Pereira e outra que não se casou (filhos de Anna Maria casada com Manoel José Pirajá).


OS CARNEIROS – Família de S. Bartholomeu

Em 12 de Janeiro de 1741, por escritura pública passada na cidade do Salvador, Bahia, Antônio Carneiro da Silva (meu hexavô) (português) comprou da Santa Casa de Misericórdia, representada por seu procurador Francisco de Sá Peixoto, a fazenda São Bartholomeo, no Termo da Villa de N. Sra. Do Rosário do Porto de Cachoeira.
Vinte e cinco anos depois, em 21 de Maio de 1766, Antônio Carneiro da Silva (meu hexavó), já casado com Anna Maria da Silva Antônio Carneiro da Silva (minha hexavó)  - filha de Bernardo da Silva, antes do casamento era Anna Maria da Silva - comprou-a de Manoel de Saldanha, por escritura pública passada em notas do tabelião Antônio Barbosa de Oliveiras, da cidade do Salvador, terras do sitio Bom Sucesso, Boqueirão e Tocós, “que parte ao meio com a fazenda da Serrinha, pelo morro”.
E quarenta e três anos mais tarde, em 2 de janeiro de 1784, por escritura pública em notas do tabelião Antônio Pinto dos Reis, de São João da Água Fria, no sítio de Serrinha, o mesmo Antônio Carneiro da Silva e sua mulher Anna Maria da Silva Carneiro (meus hexavós), ratificaram os dotes que haviam feito a seu filhos Ignácio Manoel Carneiro, Maria de Jesus de Assumpção, casada com Braz Ferreira da Costa, alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô), Antônia Maria da Silva e Anna da Silva Carneiro, Ignácio teve a fazenda Bom Sucesso. Braz a fazenda Boqueirão, o alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô) a fazenda Tanque, Antônia a fazenda Poções e Anna a fazenda Cedro.
Não existe registros de outras escrituras de ratificação de dotes. Mas, além desses filhos, Anna e Antônio Carneiro da Silva tiveram mais os seguintes filhos: João Baptista Carneiro que se casou com uma senhora da fazenda Rego do Pedrão, e se estabeleceu em São José das Itapororocas; Antônio da Silva Carneiro, morador em sua fazenda São Bartholomeo  que por escritura pública de 22 de setembro de  1814, no arraial de Serrinha , em casa de Manoel Moreira, genro de Fructuoso de Oliveira Maya, comprou à Condesda da Ponte, por seu procurador Capitão Antônio Manoel da Silva, a fazenda Vermelhos; Ignácia Carneiro da Silva, que se casou com Custódio Pereira Passos, português, e se estabeleceu  no sitio Calando; Ignácia que se casou com  Matheus da Silva Cardozo, Petêo, e estabeleceu-se em Cajazeiras; e uma filha que se casou em São José das Itapororocas e cujo marido fundou a fazenda Água Fria.


O ALFERES JOSÉ DA SILVA CARNEIRO (meu pentavô)

O alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô) morreu em 28 de janeiro de 1857 com 98 anos, casou-se duas vezes, primeiro com sua prima filha de Miguel Affonso Ribeiro, e em segundo casamento com outra prima, Anna Maria, filha do capitão Manoel José Moreira.
Do seu primeiro casamento com uma prima de primeiro grau, filha de Miguel Affonso Ribeiro  teve dois filhos: o Capitão José Carneiro da Silva, que se casou com Maria Francisca da Purificação, filha de José Affonso e neta de Miguel Affonso Ribeiro, e Anna da Silva Carneiro,  que se casou com Tristão Gomes da Silva, neto de Fructuoso de Oliveira Maya.
Do seu segundo com uma prima de segundo grau filha do capitão Manoel José Moreira, teve os seguintes filhos: Bernarda, que não se casou,Joaquim Moreira da Silva Carneiro (meu tataravô) que se casou com Joanna de Lima (minha tataravó) do Pedrão e se estabeleceu no sítio Malhada e teve muitos filhos: Ricardo Moreira da Silva Carneiro, que foi casado com Catharina Mathildes Carneiro, filha do coronel José Baptista Carneiro sua prima, foi morar em Riachão do Jacuípe e não teve filhos; Maria da Representação, casada com Manoel José Vieira, seu parente, ramo dos Apollinários; Luiza Prudenciana, casada com Antônio Alves Carneiro, seu primo; Anna Ritta, casada com Francisco Simplício, filho do Coronel José Baptista Carneiro e Antônia Carneiro de Lima (minha bisavó) casada com Antônio Francisco de Oliveira(meu bisavô).


Bisnetos de Bernardo da Silva
Netos de Antônio da Silva Carneiro e Anna Maria da Silva

Filhos de Antônio da Silva Carneiro: (2 filhos) Antônio Carneiro, de Água Dôce, que não teve filhos, e o capitão José Nunes da Silva Carneiro (verificar se era parente de minha bisavó, mãe de minha vó Blandina), que em 1825 vivia em sua fazenda S. Bartholomeo.
Filhos de Custódio e Rosária:  Capitão José Ferreira da Silva, sitio Victória, Antônio Ferreira da Silva, sitio Aboboreiras; Joaquim ferreira da Silva; Custódio Ferreira da Silva, Anna Maria da Silva que se casou com Zacharias Ferreira da Silva Oliveira; Maria das Mercês que foi casada com Joaquim Manoel da Silva.
Filhos de João Baptista Carneiro: Coronel José Baptista Carneiro, José Carneiro da Silva Rêgo, morador em Cachoeira, João Carneiro da Silva Rêgo que era tabelião na Bahia em 1819; e Bernarda que não se casou.
Filhos de Ignácia, casada com Matheus da Silva Cardoso: Matheus Carneiro da Silva, que se casou com Anna Francisca, sua prima, filha de José Affonso; Anna Maria, que se casou com José Affonso Ribeiro, seu primo; e Bernarda Maria da Silva, que se casou com seu primo Miguel Affonso Ribeiro.
O Coronel José Baptista Carneiro, filho de João Baptista Carneiro, neto de Antônio da Carneiro da Silva e Anna Maria da Silva, consequentemente tataraneto de Bernardo da Silva, casou-se com Anna Simplícia de S. Catharina, teve como filhos: Maria, casada com José Ferreira da Silva – pai de João Marcellino da Silva Carneiro; Francisco Simplício da Silva Carneiro, casado com Anna Ritta, filha do alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô); João casado com uma senhora da família Moreira Rêgo (Iassú), José Baptista; Antônio Alves Carneiro, casado com Luiza Prudenciana, filha do alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô), e tiveram como filhos: Ricardo; Juvêncio; Maria da Pureza; cônego José Carneiro – vigário do Pedrão, Antônio; Guilhermina, casada com Antônio Ferreira da Silva; Theodora, casada com Bernardino Ferreira; Joaquim Baptista Carneiro, casado com uma senhora da família Ayres (Santo Amaro); Luiza, que não se casou; Anna, casada com José Tavares; Catharina Mathildes Carneiro, casada com Ricardo Moreira da Silva Carneiro, filho do alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô); Cândida, casada com Bernardo Carneiro, que tiveram  como filhos: coronel João Paulo da Silva Carneiro; Miguel Alves Carneiro; José Carneiro da Silva Rêgo que teve o filho: José Carneiro da Silva Rêgo; José Rêgo, que não se casou; uma filha casada com José Correia de Britto.
Descendência dos filhos do alferes José da Silva Carneiro (meu pentavô): capitão José Carneiro da Silva; Anna da Silva Carneiro casada com Tristão Gomes da Silva, Maria da Representação, casada com Manoel José Vieira e Luiza Prudenciana, casada com Antônio Alves Carneiro:
Filhos do capitão José Carneiro da Silva, casado com Maria Francisca da Purificação, filha de José Affonso e neta de Miguel Affonso Ribeiro: Joaquim Carneiro da Silva Ribeiro, casado com Maria Francisca de Oliveira, filha de Antônio Ferreira de Oliveira (ramo dos Santhiagos); Capitão José Carneiro da Silva, casado com Jeronyma, filha de Manoel Ferreira de Oliveira (ramo dos Santhiagos) e viuva de de Zacharias Gonçalves, Pereira que deste casamento tiveram como filhos: Carolina Carneiro de Araújo (Calú), casada com o capitão José Joaquim de Araújo, José Carneiro da Silva, Antônio, Elpidio e Leonel; tenente Coronel Miguel Carneiro da Silva Ribeiro, pai de Antônio, Joaquim e Marianno Silvio Ribeiro, e de Theodolina, casada com Pedro Alves Pinheiro, Miquelina, casada com Antônio Rodrigues Nogueira, Anna, e Leopoldo; capitão Ignácio Carneiro da Silva Ribeiro; capitão Tertuliano da Silva Ribeiro; Antônio Carneiro da Silva Ribeiro; Elpídio Carneiro da Silva Ribeiro; Anna Francisca Carneiro, casada com Antônio Martins Ferreira (ramo dos Affonsos) com quem teve os seguintes filhos: padre Loreto, padre Urbano, Amália, Pacífica  e outra filha que se casou com Santos Seara, um negociante português e tiveram como filhos: João Martins dos Santos Seara e Maria Izabel Martins Seara; Maria Rosa Carneiro casada com Manoel Cardoso Ribeiro.
Filhos de Anna, casada com Tristão Gomes da Silva: José Bento que não se casou e outros que não há registros dos nomes.
Filhos de Maria da Representação, casada com Manoel José Vieira (ramo dos Apollinários), Liberato e Manoel José Vieira, que se casou com Anna Maria, filha de Joaquim José Vieira e Anna Cardoso e tiveram como filhos: Alfredo e Manoel.
Descendência de Ignácia, casada com Matheus da Silva Cardoso:
Filhos de Matheus Carneiro da Silva; José Pedro; Manoel Cardoso Ribeiro, que se casou com Maria Rosa, filha do capitão José Carneiro da Silva; tenente-coronel Joaquim Carneiro de Campos, que se casou primeiro com Anna, filha de Manoel Ferreira de Oliveira, e depois com Cesária, filha do tenente João Manoel de Freitas, e tiveram  como filhos: Maria, casada com Leovigildo Cardoso Ribeiro e Carolino Carneiro de Campos; Alferes Jesuino Carneiro da Silva, que se casou com Luiza, filha de Manoel José Pinto (ramo dos Mayas); capitão Antônio Cardoso Ribeiro, que se casou com Joanna, filha de Manoel Ferreira de Oliveira (ramo dos Santhiagos), e teve os seguintes filhos: Tiburtina, casada com Leôncio Marques Pedreira de Freitas, Symphronio, Tibério, Leovigildo, Joaquim, Antônio Miguel e Augusto Cardoso Ribeiro e uma filha chamada Maria; alferes Rosendo Carneiro da Silva, casado com Santinha, filha de Miguel Affonso Ribeiro, e sua mulher Bernarda; Anna Cardoso Ribeiro, que não se casou; Maria Lina, que se casou com Simão  Ferreira de Oliveira, filho de Antônio Ferreira de Oliveira; Cândida, que não se casou; Custódia, que se casou com o dr. Benedicto Augusto Wenceslao da Silva; Ritaa, que se casou com Sulpicio Ferreira de Oliveira, filho de Manoel Ferreira de Oliveira; Ignez; Ignácia e Carlota, que não se casaram; Carolina, que se casou com Francisco Romão de Araújo.
Os filhos de Anna Maria, casada com José Affonso e Bernarda Maria, casada com Miguel Affonso Ribeiro, foram tratados no capítulo referente aos Affonsos.
A filha de Antônio Carneiro da Silva, casada com o fundador da fazenda Santa Rita tiveram uma filha, Anna Maria do Nascimento, que se casou com Francisco José da Silva, que faleceu em 1862 e tiveram os filhos: Francisco Tavares da Silva Carneiro, tenente-coronel José Tavares da Silva Carneiro, Demétrio da Silva Carneiro, capitão Antônio Tavares da Silva Carneiro, mais quatro mulheres, das quais três morreram solteiras e uma que se casou com o capitão José Ribeiro Lima.
Francisco Tavares da Silva Carneiro, teve os seguintes filhos: Alexandrina, casada com Cidrônio, uma que se casou com João José dos Campos; Eduviges, casada com Quintiliano Martins da Silva; Maria Angélica da Silva Carneiro; tenente-coronel Francisco Tavares Silva Carneiro, José Tavares Silva Carneiro, Manoel Tavares Silva Carneiro, Joaquim Tavares Silva Carneiro, Martiniano Tavares Silva Carneiro; Maria Magdalena, casada, com Tibério Constancio Pereira; Francisca, casada com João Ferreira, e Antônia casada com Manoel Ferreira.
O tenente-coronel José Tavares da Silva Carneiro teve os seguintes filhos: capitão Carlos, capitão Joviniano e Jovina, casada com o capitão Leopoldo Ferreira da Silva Carneiro.
Demétrio da Silva Carneiro, casado com Francisca Maria da Silva, filha do capitão José Ferreira da Silva, tiveram os seguintes filhos: capitão José Carneiro da Silva; Leopoldo Ferreira da Silva Carneiro e Demétrio Ferreira da Silva Carneiro; Maria Magdalena, cadada com o capitão Carlos, seu primo; Antônia Leopoldina, casada com Aristides Cedraz de Oliveira; Isabel Ferreira, casada com Joaquim Cedraz. Irmão de Aristides; Maria, casada com José Cedraz,; Francisca, casada com Annibal Ferreira; Leopoldina, José Baptista Carneiro; Alexandrina, casada com o tenente Juvêncio Alves; Umbelina, casada com Ricardo Alves e Anna, casada com Jayme Moreira.
Tetranetos de Bernardo da Silva, por via de Rosária, casada com Custódio Pereira Passos: tentente-coronel José Ferreira da Silva; coronel Manoel Ferreira da Silva, pai de Quintino e Jacinto da Silva; Justino Ferreira da Silva; João Ferreira da Silva; Francisca Maria da Silva que se casou com Demétrio da Silva Carneiro; Joanna, que se casou com o capitão Antônio Tavares da Silva Carneiro; Bernardina Maria da Silva, que se casou com João Ferreira da Silva; Maria das Mercês, Segunda mulher do capitão José Ribeiro Lima, pai de Dr. Manoel Ribeiro Lima (filhos do capitão José Ferreira da Silva); Antônio, Joseé, João Ferreira da Silva e Justino Ferreira  da Silva; Ponciano, João e outros (filhos de Custódio Ferreira); Manoel Ferreira da Silva, que se casou com uma senhora da família Medeiros.


Os Mayas – Família de Serrinha

Meus octavós
Sebastião da Silva, pai ou avô de Bernardo da Silva (não se sabe ao certo) português - tabelião em Salvador

Meus Septavós
Bernardo da Silva – fundador da cidade de Serrinha
Josefa Maria do Sacramento

Bernardo da Silva é considerado o fundador de Serrinha, município do estado brasileiro da Bahia. Nascido no século XVII, vivia na Fazenda Tambuatá, casou-se com Josefa Maria do Sacramento com quem teve 10 filhos, a saber:
Filhos Prudente da Silva - Padre
Apollinário da Silva – capitão Apolonário
José da Silva e Oliveira
Ignácio Manoel da Silva – da fazenda Genipapo (meu octavô)
Bernarda Maria da Silva – (septavó) casada com Fructuoso de Oliveira Maya, português
Maria da Purificação da Silva – não se casou e viveu até a morte na casa dos Pais. Castíssima
Anna Maria da Silva (minha hexavó) – casada com Antônio Carneiro da Silva, português da fazenda São Bartholomeu (meus hexavô)
Antônia Maria da Silva;
Uma que casou-se com Manoel da Mota;
Uma que casou-se com Miguel Afonso Ribeiro.
Bernardo da Silva, faleceu em 27 de setembro de 1750, e seus herdeiros deram origem as mais tradicionais famílias do Município de Serrina-BA.


Antônia Maria da Silva, foi uma dentre os dez filhos de Bernado da Silva, considerado fundador do Município de Serrinha, interior do Estado da Bahia. Casou-se em novembro de 1730 na Capela de São João Batista de Água Fria, com Antônio Carneiro Silva, português, natural da Freguesia do Porto de São Pedro, Bispado do Porto. O sobrenome Carneiro, tão comum no sertão baiano, deriva desde casal[1].
Referências
1.    ↑ Revista do Instituto Genealógico da Bahia, Ano 65 N. 24, p. 191-194 (2010)


Base Genealógica da Família de Araci.
Os filhos de José Ferreira eram nove, a saber: Severo Sabino de Carvalho, que se casou com Maria Moreira (Mariquinha). Esta era bisneta do português Frutuoso de Oliveira Maia e de sua mulher, Bernarda Maria da Silva. Estes portugueses foram dos que aportaram à Bahia quando o Brasil era província de Portugal, os quais também Ajudaram na obra de colonização das terras brasileiras. O segundo foi Ludovico Antunes de Carvalho, que se casou com Justina Ferreira, filha de Manoel Ferreira de oliveira, irmão de José Ferreira. Rita Constantina de oliveira foi a terceira filha, e se casou com seu primo Virgínio Eloy de Oliveira, filho de Antonio Ferreira, irmão de José Ferreira. Antônio Carvalho Lima foi à quarta filha. Que se casou com Ângelo Pastor Ferreira, Irmão de Virgílio Eloy Oliveira.
O quarto filho foi o Capitão Ângelo Fabiano de Carvalho, que se casou com Ana Bernadina Moreira, irmã de Maria Moreira, Mulher de Severo. Francisca Rosa (Rosa do Tingui) foi a sexta filha, e se casou com Antônio Manoel da Mota, filho de Manoel Joaquim de Oliveira e Maria Francisca de Jesus, e neto de José Ferreira de oliveira, tio de José Ferreira de Carvalho. A sétima filha foi Maria Fidélis, que se casou com José Tomé de Ferreira, filho de Antônio Ferreira Santiago e Josefa da Mota, esta também filha de Antônio Manoel da Mota. A oitava filha chamava-se Carlota. Não se casou. O nono foi o Professor Antônio Martins Ferreira.

Meus Hexavós – pais de José da Silva Carneiro
Antônio Carneiro da Silva - Português
Anna Maria da Silva – filha de Bernardo da Silva
Filhos Ignácio Manoel Carneiro
Maria de Jesus de Assumpção
José da Silva Carneiro (meu pentavô)
Antônia Maria da Silva
Anna Maria da Silva
João Baptista Carneiro
Antônio da Silva Carneiro
Rosária da Silva Carneiro
Ignácia Maria da Silva
Meus Hexavós – Pais de Anna Maria Moreira
Manoel José Moreira - capitão, português
Anna Maria de Oliveira - filha de Fructuoso de Oliveira Maya e Bernarda Maria da Silva (filha de Bernardo da Silva)
Filhos Anna Maria Moreira (minha pentavó)
José Luiz Moreira
Maria Moreira
Jacintho Moreira
Manoel Francisco Moreira
Anna Bernadina Moreira

Meus Pentavós
José da Silva Carneiro, alferes, faleceu em 28 de janeiro de 1857 com 98 anos
Anna Maria Moreira
Filhos Primeiro casamento
José Carneiro da Silva
Anna da Silva Carneiro
Segundo casamento
Joaquim Moreira da Silva Carneiro (meu tataravó)
Ricardo Moreira da Silva Carneiro
Maria da Representação Moreira da Silva Carneiro
Luiza Prudenciana Moreira da Silva Carneiro
Anna Ritta Moreira da Silva Carneiro

Meus Tataravós
Joaquim Moreira Carneiro
Joanna de Lima Carneiro, da fazenda Pedrão
Meus Bisavós – Ascendência A1+B1
Antônio Francisco de Oliveira
Antônia Carneiro de Lima (Antônia Lima Oliveira aqui minha Tataravó perdeu o sobre nome Carneiro, quando se casou com com meu Tataravô Antônio Francisco de Oliveira)
Filhos
Helena Lima Oliveira
Jovelina  Lima Oliveira
Maria de Lurdes Lima Oliveira, nasceu em 1907
Antônio Lima Oliveira
Luiz Lima Oliveira
Avelino Lima Oliveira (Gêmeo univitelino de André)
André Lima Oliveira (meu avô -Gêmeo univitelino de Avelino)
Avelino Lima Oliveira casou-se com Perolina e teve como filhos: Carlos, Josenito, Josenilda, Avelino e Almir.
Luiz Lima Oliveira casou-se com Nina e teve como filhos: José Luiz, Maria do Carmo, Raimundo.

 

Álbum de família: Família do meu tataravó materno.

image

Tataravó Justino Alves da Silva, sua segunda mulher e filhos.
Em cima, da esquerda para direita (os homens): Tietre Alves da Silva, José Alves da Silva, Antônio Alves da Silva (meu bisavó, pai de minha vó materna (Blandina Silva Oliveira), João Alves da Silva, Gabino Alves da Silva, Isaac Alves da Silva (padrinho de minha mãe (Maria Vilane Oliveira Souza)e Pedro Alves da Silva.
Em baixo da esquerda para a direita as mulheres: Mariquita Alves da Silva, Mariquinhas Alves da Silva e Maricas Alves da Silva, os meus tataravós Maria dos Anjos Alves e Justinho Alves da Silva.
Justino Alves da Silva (meu bisavô) foi casado com Maria Angélica da Silva (primeiro casamento, minha tataravó). Foi filho de Pedro Alves da Silva, (pentavô) depois com Maria dos Anjos Alves (segundo casamento).
Meu Bisavô Antônio Alves da Silva (Tote da Chapada) nasceu em 25 de janeiro de 1884 e faleceu em 19 de novembro de 1966. foi casado com Cecília Nunes de Oliveira (minha bisavó materna), que nasceu em 22 de novembro de 1888. Era filha de Antônio Alves de Oliveira e Leopoldina Nunes Guardiano (tataravós). Tiveram os filhos: Antônio Alves da Silva filho, Blandina Oliveira da Silva (minha vó materna), Davina Oliveira da Silva, Aarão Oliveira da Silva, Anatael Oliveira da Silva, Abisae Oliveira da Silva, Abnet Oliveira da Silva, Iolanda Oliveira da Silva. 


Os patriarcas linha genealógica materna

Ascendência A
Meus pentavôs Pedro Alves da Silva
Ignácia Maria de Jesus
Filhos
José Alves da Silva
Luiz Alves da Silva
Justino Alves da Silva (meu tataravô)
Anna Alves da Silva
Manoel Alves da Silva
Meus tataravôs ou tetravôs
Justino Alves da SilvaMaria Angélica da Silva (primeiro casamento, minha tataravó)
Maria dos Anjos Alves da Silva (Segundo casamento)
Filhos de Justino e Maria Angélica
Tietre Alves da Silva
José Alves da Silva
Antônio Alves da Silva – Tote (meu bisavô)
João Alves da Silva
Gabino Alves da Silva
Isaac Alves da Silva
Pedro Alves da Sivla – Pirocas
Mariquita Alves da Silva
Filhos do segundo casamento de Justino e Maria dos Anjos Alves da Silva
Mariquinhas Alves da Silva
Maricas Alves da Silva
Mariêta Alves da Silva (tia Liêtiha)
Carlos Alves da Silva
Os filhos homens de meu tataravó com exceção de meu bisavô tote, todos tocavam na filarmônica 30 de junho, segundo minha tia bisavó Marieta (tia Liêtinha), eles foram os fundadores da filarmônica.
Ascendência B
Meus tataravôs
Leopoldina Nunes Guardiano (filha de italianos)
Antônio Alves de Oliveira
Filhos
Adelina Nunes Oliveira
Cecília Nunes Oliveira (minha bisavó)
Duvirges Nunes de Oliveira
Miguel Nunes Oliveira
Manoel Nunes Oliveira
Antônio Nunes Oliveira
José Nunes Oliveira
Joaquim Nunes Oliveira
Josias Nunes Oliveira
João Nunes de Oliveira

Meus bisavós – Ascendência A + B
Antônio Alves da Silva – Tote
Cecília Nunes de Oliveira (Cecília de "Nunes") Oliveira Silva)
Filhos Antônio Alves da Silva Filho (tio Totônio)
Blandina de Oliveira Silva (minha avó)
Anatael de Oliveira Silva
Yolanda de Oliveira Silva
Davina  de Oliveira Silva (Davina Silva Araújo)
Abisai de Oliveira Silva
Arão e Oliveira Silva
Abinet de Oliveira Silva
Antônio Alves da Silva Filho casou-se com Maria Eliza e teve como filhos: Antônio Alves da Silva Neto (Tote Neto), Hermano, Hagamenon, Antônio Carlos, Carlos Vagner e Maria Elíza (Didiza), depois casou-se com Alzira e teve como filhos: Célia, Salete, Gorete, Gina, Leandro, Rui, Fernando, Adriano, Milton, Gean, Mônica e Cecília.
Anatael de Oliveira Silva casou-se com Genilda e não teve filhos, faleceu no dia 8 de abil de 1998 (hoje), criou Maria Eliza, filha de Antônio Alves da Silva Filho e Eliza, depois do falecimento da mãe.
Yolanda  de Oliveira Silva casou-se com José Tomé e teve como filhos: Sérgio, Ana Maria, Maria das Graças, Maria Perpétua, Maria do Carmo, Ana Maria e Fernando.
Davina de Oliveira Silva (Davina da Silva Araújo) casou-se com Filadelfo Ferreira de Araújo, que faleceu em 11 de junho de 1957, e teve como filhos: Luiz Carlos da Silva Araújo, Afonso Celso Araújo, Paulo César da Silva Araújo, Antônio Cristóvão da Silva Araújo, José Cláudio da Silva Araújo e Margarida Maria da Silva Araújo.
Abisai de Oliveira Silva Abisai nasceu em 10 de junho de 1920 e faleceu em 8 de março de 1985, casou-se com Juliêta e teve uma filha: Maria Marta.
Arão e Oliveira Silva casou-se com Bernadete e teve uma filha: Maria José.
Abinet de Oliveira Silva Abinet de Oliveira Silva faleceu em 3 de junho de 1990, casou-se com Raquel (Quelita) e teve como filhos: Maria de Lourdes, Jorge e Margarete.
Meus avós
Blandina de Oliveira Silva (Blandina Silva Oliveira)

André Lima Oliveira
Filhos Raymundo Silva Oliveira
Maria Vilane Silva Oliveira (minha mãe)
Maria Joseane Silva Oliveira
Edmundo Silva Oliveira
Maria Ione Lima Oliveira
Maria Jane Silva Oliveira
Maria Avany Silva Oliveira
Raymundo Silva Oliveira, nasceu no dia 22 de janeiro, as 00:15 da manhã de Domingo de 1939, batizou-se no dia 26 de fevereiro, Domingo, de 1939 as 4 horas da tarde, crismou-se a 23 de outubro de 1943 em Serrinha, foi consagrado a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro na capela da fazenda Chapada. Casou-se com Maria Aparecida Ferreira Oliveira (que nasceu no dia 24 de julho de 1942) no dia 9 de janeiro de 1965 em Teófilo Otoni – MG e tiveram como filhos: Andréa Cristina Oliveira, que nasceu no dia 24 de novembro de 1968 casou-se com Adriano José de Oliveira Silva (primo, filho de Antônio Alves da Silva Filho) e teve 2 filhos, Rafael Oliveira Silva que nasceu em 8 de junho de 1991 e Matheus Oliveira Silva, que nasceu em 10 de março de 1996, Eliseu Silva Oliveira, que nasceu em 24 de junho de 1971, Débora Maria Oliveira, que nasceu em 23 de maio de 1973 e Raimundo Silva Oliveira Júnior que nasceu em 22 de outubro de 1974.
Maria Joseane Silva Oliveira (Maria Joseane Oliveira Fernandes), nasceu no dia 28 de abril de 1942, foi batizada no dia 6 de junho de 1942, Sábado,  as 19:00 na capela da fazenda Chapada, e crismada em 20 de outubro de 1943, quarta-feira em Serrinha, e foi consagrada a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro na fazenda Chapada em 2 de março de 1947. Casou-se com Joaquim Fernandes (que nasceu em 10 de agosto de 1939), no dia 12 de abril de 1975, e tiveram como filhos: André Oliveira Fernandes, que nasceu em 25 de janeiro de 1976 e Alane Oliveira Fernandes, que nasceu em 3 de dezembro de 1978.
Edmundo Silva Oliveira, nasceu em 14 de dezembro de 1943, terça-feira, as 16 horas, foi batizado no dia 9 de janeiro de 1944, Domingo, as 11:30 na igreja de N. Senhora Santana em Serrinha, foi crismado no dia 29 de abril de 1949 e consagrado a N. Senhora do Perpétuo Socorro em 2 de março de 1944, na fazenda Chapada. Casou-se com Maria das Graças (que nasceu em 10 de novembro de 1952) em 21 de dezembro de 1985 na Igreja Nova em Serrinha, e teve como filhas Blandina Neta que nasceu em 23 de abril de 1987, e Elane em...
Maria Ione Lima Oliveira (Maria Ione Lima Oliveira Novaes Santos), nasceu em 21 de janeiro de 1945, Domingo as 9:45, foi batizada na capela da fazenda Chapada no dia 4 de março as 9:30, Domingo e crismada em 29 de abril de 1949, Sexta-feira, em Serrinha, e consagra a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em 2 de março de 1947. Casou-se no dia ... com José Novaes Santos (que nasceu em 27 de abril de 19..), e tiveram como filhos: Leone Lima Oliveira Novaes Santos, que nasceu em 4 de agosto de 19..  Larissa Lima Oliveira Novaes Santos, que nasceu em 6 de julho de 19...
Maria Jane Silva Oliveira nasceu no dia 17 de março de 1947, Domingo, as 12:30, foi batizada em 21 de abril, Domingo de páscoa, de 1947, foi crismada em 29 de abril, Sexta feira, de 1949, e consagrada a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em 2 de março de 1947.
Maria Avany Silva Oliveira, (Maria Avany Oliveira Macedo) nasceu em 23 de março de 1948, Terça-feira, as 3:30 da manhã, foi batizada em Serrinha, as 3:30 do Sábado, em julho, e foi registrada em 28 de março de 1948, e crismada como se houvesse sido nascida em 3o de abril. Casou-se com Joselito de Macêdo (que nasceu em 17 de novembro de 1845), em 11 de janeiro de 1975, tiveram como filhos: Joselito de Macêdo Júnior, que nasceu em 26 de agosto de 1975, Gilney Oliveira Macêdo, que nasceu no dia 5 de dezembro de 1977, Aline Oliveira Mecêdo, que nasceu no dia 31 de dezembro de 1979, e Acássio Oliveira Macêdo, que nasceu em 1 de sentembro de 1981.
Os patriarcas linha genealógica PATERNA
Meus Bisavós – Ascendências E + F
Joaquim Ferreira da Silva
Eliziaria Ferreira da Silva
Filha
Lúcia Ferreira Souza
Os avós Meus Bisavós – Ascendências G+H
Joaquim Marcolino de Souza
Maria Maximiana de Souza

Filho
Euclides Evangelista de Souza
Meus Avós Paternos
Lúcia Ferreira Souza
Euclides Evangelista de Souza
Filhos
Celso Ferreira Souza (meu Pai)
Salvelina Ferreira Souza
Delza Ferreira Souza
Divone Ferreira Souza
Alfredo Ferreira Souza
Profeta Jonas Ferreira de Souza
Meus Pais
Maria Vilane Silva Oliveira (Maria Vilane Oliveira Souza)
Celso Ferreira Souza
Filhos
Celso Vagner Oliveira Souza
Carlos Vilmar Oliveira Souza
Célio Verimar Oliveira Souza
César Vanderlei Oliveira Souza
Cássio Vânio Oliveira Souza
Cássia Vanusa Oliveira Souza
Ciro Vandré Oliveira Souza
Karla Vilane Oliveira Souza
Celso Vagner Oliveira Souza, nasceu em 11 de junho de 1962, casou-se com Rosilene no dia 27 de janeiro de 1990 Ingrid  nasceu no dia 10 de julho de 1990 e Camila nasceu no dia 3 de novenbro de 1992
Carlos Vilmar Oliveira Souza (eu mesmo – o próprio) nasci em 3 de junho de 1963
Célio Verimar Oliveira Souza, nasceu no dia 2 de janeiro de 1965
César Vanderlei Oliveira Souza, nasceu no dia 2 de fevereiro de 1966 e faleceu no dia 29 de abril de 1966.
Cássio Vânio Oliveira Souza, nasceu no dia 30 de junho de 1968, casou-se com Maria Darciene dos Anjos Souza – nasceu no dia 22 de outubro de 1970 – no dia 2 de maio de 1992, teve como filho Kaique dos Anjos Souza 31 de outubro de 1992
Cássia Vanusa Oliveira Souza (Cássia Vanusa Oliveira Souza Lima) nasceu no dia 1 de abril de, casou-se com Sidnei Pereira Lima, no dia 16 de fevereiro de 1991, tiveram 2 filhos: Celso Vinicius Oliveira Souza Lima, que nasceu no dia 11 de maio de 1991 e Carolina Oliveira Souza Lima
Karla Vilane Oliveira Souza, nasceu no dia 12 de setembro de 1979, casou-se com Lincoln Rodrigues no dia 26 de novembro de 1996, tiveram uma filha: Emmily Vilane Souza Rodrigues

Fonte: http://www.carlosvilmar.com.br/aacutervore-genealoacutegica.html

6 comentários:

  1. Como vc conseguiu TANTAAAA informação?
    Me chamo gabriela casemiro da motta quio. preciso saber a origem da minha familia MOTTA, como começo??? tem muito MOTTA no mundo! :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahhh meu email é gabrielaquio@yahoo.com.br

      Excluir
  2. Caro primo Carlos Vilmar: O meu boa tarde.
    Gostei imensamente da perfeição da sua árvore genealógica. Só uma coisa você não fez: Dos filhos da minha bisavó Reduginae sua trisavó, você colocou apenas dois, entretanto são cinco.
    Abraços,
    Antonio José de Oliveira - Serrinha - E-mail: antonioj.oliveira@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, meu nome é Mauricio sou de Serrinha, e preciso urgente de uma fotografia do Bernardo da Silva para eu realizar um trabalho de arte. quem tiver e puder me enviar eu agradeço. mauricio_cascao@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Boa noite Luana, tudo bem? Me chamo Fernando Ramos de Santana, sou paulistano mas meu pai é nascido em Inhambupe, creio que próximo de onde vem tua família. Comecei a montar a árvore genealógica de minha família, e como vi que você tem Ramos também, fiquei curioso em saber se temos algum parentesco, e talvez você possa me ajudar a conseguir ir adiante na minha árvore. Na árvore minha, os antepassados mais antigos que encontrei foram Alexandre José Ramos (nascido em 1865) e seu pai, Leandro José Ramos (e infelizmente não encontrei esses nomes em tua página). Meu email é fsfernsantana@gmail.com
    Obrigado e Feliz 2017.
    Fernando.

    ResponderExcluir
  5. eu sou neto de Atonio Geraldo lopes
    e de Zumira ferrera da silva

    ResponderExcluir