Esse blog é sobre a história da minha família, o meu objetivo é desvendar as origens dela através de um levantamento sistemático dos meus antepassados, locais onde nasceram e viveram e seus relacionamentos inter-familiares. Até agora sei que pertenço as seguintes famílias (nomes que por vezes são escritos de forma diferente): Ramos, Oliveira, Gordiano, Cedraz, Cunha, Carvalho, Araújo, Nunes, Almeida, Gonçalves, Senna, Sena, Sousa, Pinto, Silva, Carneiro, Ferreira, Santos, Lima, Correia, Mascarenhas, Pereira, Rodrigues, Calixto, Maya, Motta…


Alguns sobrenomes religiosos que foram usados por algumas das mulheres da minha família: Jesus, Espirito-Santo...


Caso alguém tenha alguma informação, fotos, documentos antigos relacionado a família é só entrar em contato comigo.


Além desse blog também montei uma árvore genealógica, mas essa só pode ser vista por pessoas que façam parte dela. Se você faz, e gostaria de ter acesso a ela, entre em contato comigo.

terça-feira, 6 de maio de 2014

FUNDAÇÃO DO ANTIGO RASO

 

Capítulo I
FUNDAÇÃO DO ANTIGO RASO

01. O Pioneiro Capitão José Ferreira de Carvalho

        Araci foi fundado pelo Capitão José Ferreira de Carvalho no ano de 1812. Este cidadão residia na Fazenda Serra Grande, município de Serrinha. Era filho de  Manoel Ferreira Santiago  e Maria da Conceição,  Tendo nascido no ano de 1783. Era casado com Maria do Rosário Lima, irmã do padre José Alves. Depois do casamento, foi ele residir na fazenda Pedrão,  de propriedade de seu sogro, no município de Irará. Tempos depois voltou ele ao lugar denominado Campo Limpo, no município de Serrinha. Tendo sido, na sua nova residência, convidado a tomar parte na política serrinhense por alguns chefes da mesma, como não tivesse vocação para tal, não aceitou o convite, tendo, por essa causa, sofrido grande coação, resultando daí a sua retirada daquela fazenda, Resolveu então comprar ao Sr. Paulo Rabelo, residente na então vila de Entre Rios, umas vinte leguas de terra quadrada.

            O Sr. Paulo Rabelo era descendente de Antonio Guedes de Brito, fundador da Casa da Ponte, vizinha a casa da Torre de Garcia d’Ávila, tendo este último vindo de Portugal em companhia de Tomé de Sousa, 1º. Governador Geral do Brasil, em 1549. Aquelas vinte léguas de terras era então uma caatinga bruta onde só existiam animais bravios, como onça, veados etc. mudo então José Ferreira para a terra recém adquirida, vindo com todos os filhos, em número de nove, desbravar a selva e cultivar o solo de parte da terra que hoje é conhecida Araci.

            Aqui chegando edificou uma pequena casa no local onde hoje fica o curral junto ao tanque novo. Pouco meses depois, começou a construção da outra casa, muito maior que a primeira, a qual é que fica no largo do Sossego, de propriedade de Domiciano oliveira. Trouxe também em sua companhia grande número de escravos, que adquirira segundo a lei da época. Para eles edificou também varias casinhas. Mudou-se para a nova casa construída, pois era maior que a primeira e mais confortável, entregando a outra a um de seus escravos. Com o auxílio deste, e sue incansável labor, iniciou um grande e selecionado criatório de gados de muitas espécies, cujos exemplares trouxera de sua fazenda Campo Limpo.

            Alguns anos decorridos depois de estabelecido com grandes propriedades e a fazenda em desenvolvimento satisfatório, chegou o inesperado. Uma enorme estiagem assolou toda a região. Houve falta de água e de alimento para os animais, provavelmente a ausência prolongada de chuvas. O único recurso foi a saída temporária dos proprietários e seus criatórios. Poderemos muito bem avaliar os vexames pó que passaram os nossos antecessores naquelas emergências, quando não havia ainda sido feito o plantio de forrageira, como a palma cactácea, que tem sido, nos tempos atuais, o arrimo é a salvação das fazendas de gado em tempo de seca. Não existem também por aqui as cisternas e os poços artesianos, os quais atualmente são de incomensurável valor para o abastecimento do precioso líquido nas pequenas estiagens, quer ao povo, quer aos gados.

            Não havendo meios imediatos para remediar aquela situação, voltou o nosso herói a Serrinha, com toda a família e criatório. Assim que teve notícias das primeiras chuvas caídas, regressou incontinenti à sua propriedade. Aqui chegando, continuou a árdua tarefa de colonização dos campos. O lugar em que edificou as primeiras casas denominou Raso, de acordo com a espécie topográfica do terreno, isto é, coberta de caatinga baixa e emaranhada. Existiam, no entanto, em grande parte das vinte léguas de terras por ele adquiridas, muitas matas espessas, donde se extraiam madeiras de lei em grande quantidade.

            Perto de sua residência, construiu três tanques. O primeiro é o chamado Fontinha, ao sul da dita casa; o segundo foi o que é conhecido por Tanque Novo, junto do local da primeira casa, ao qual já me referi; e o terceiro foi o que hoje se chama Tanque da Nação, que era conhecido naquele tampo por Lameiro do Raso.

02. Base Genealógica da Família de Araci.

            Os filhos de José Ferreira eram nove, a saber: Severo Sabino de Carvalho, que se casou com Maria Moreira (Mariquinha). Esta era bisneta do português Frutuoso de Oliveira Maia e de sua mulher, Bernarda Maria da Silva. Estes portugueses foram dos que aportaram à Bahia quando o Brasil era província de Portugal, os quais também Ajudaram na obra de colonização das terras brasileiras. O segundo foi Ludovico Antunes de Carvalho, que se casou com Justina Ferreira, filha de Manoel Ferreira de oliveira, irmão de José Ferreira. Rita Constantina de oliveira foi a terceira filha, e se casou com seu primo Virgínio Eloy de Oliveira, filho de Antonio Ferreira, irmão de José Ferreira. Antônia Carvalho Lima foi à quarta filha, que se casou com Ângelo Pastor Ferreira, Irmão de Virgílio Eloy Oliveira.

            O quarto filho foi o Capitão Ângelo Fabiano de Carvalho, que se casou com Ana Bernadina Moreira, irmã de Maria Moreira, Mulher de Severo. Francisca Rosa (Rosa do Tingui) foi a sexta filha, e se casou com Antônio Manoel da Mota, filho de Manoel Joaquim de Oliveira e Maria Francisca de Jesus, e neto de José Ferreira de oliveira, tio de José Ferreira de Carvalho. A sétima filha foi Maria Fidélis, que se casou com José Tomé de Ferreira, filho de Antônio Ferreira Santiago e Josefa da Mota, esta também filha de Antônio Manoel da Mota. A oitava filha chamava-se Carlota. Não se casou. O nono foi o Professor Antônio Martins Ferreira.

            Em se tratando da genealogia da principal família de Araci, quero explicar aqui a razão do direito que me assiste em escrever este livro, ou seja, o cumprimento de um dever sagrado emanado da dita genealogia. Vejamos: José Ferreira de Carvalho teve como primogênito Severo. De Severo nasceu Francisco Aristide. Deste nasceu Francisco Xavier, do qual nasceu Nicolau, que é o meu genitor. De Ludovico, o segundo filho, nasceu Maria Luiza, da qual Nasceu Francisco, do qual nasceu Ana, que é minha genitora. De Rita Constantina, a Terceiras filha, nasceu Maria Rosa, da qual nasceu Nicolau, meu genitor. Da quarta Filha, Antônia nasceu Maria Silvina, da Qual nasceu Ana, que é minha genitora. Francisca Rosa foi a sexta filha, da qual nasceu Antônio, do qual Nasceu Francisco, do qual Nasceu Ana, que é minha genitora.

            Maria Fidélis foi a sétima filha, da qual nasceu Maria, da qual nasceu Francisco Xavier, do qual nasceu Nicolau,que é meu genitor. Em resumo, está aqui definido que dos nove filhos de José Ferreira de carvalho eu descendo de seis, eis porque alimento um acendrado amor à terra descoberta por aquele grande patriarca, e que me foi outorgada como herança bendita.

            A tradicional família de Araci tem os seguintes sobrenomes: Ferreira, Carvalho, Oliveira, Mota, Lima e Moreira, todos eles oriundo dos primeiros cidadãos que aqui fixaram residência, os quais eram descendentes do fundador, José Ferreira de Carvalho. Nos sobrenomes acima ditos estão o âmago e a continuidade da descendência do grande fundador de Araci. O Carvalho é aquela árvore que há 140 anos aqui surgiu, cresceu e espalhou os seus ramos. Nós somos as novas árvores que nascemos dos frutos daquela. Por este motivo dizemos com santo orgulho: nas nossas veias corre o sangue de José Ferreira de Carvalho.

03. Construção de Novas Propriedades

            No terreno que José Ferreira adquirira com o Sr. Paulo Rabelo encontrou aquele, em certo local, onde hoje está situada a aldeia denominada Rufino, uns antigos moradores que, em nenhuma prova de propriedade, ali residiam havia vários anos. Indo ele reclamar aos tais o direito de que era possuidor, encontrou da parte dos mesmos forte resistência. Não se intimidou nem recorreu à justiça. Com sua intrepidez e coragem enfrentou obstinadamente os intrusos a ponto de ser alvejado por um tiro, mas terminou vencendo.

            No citado lugar não havia naquele tempo nome algum. Alguns anos mais tarde, segundo a tradição, um dos seus escravos, de nome Rufino, estando a caçar no dia de domingo, foi sair em uma lagoa até então desconhecida, próxima ao lugar em que foram expulso os citados moradores. Ao voltar, comunicou a seu senhor o achado, e este, por ser um homem consciencioso, disse ao escravo que a dita lagoa ficaria batizada com o nome de lagoa do Rufino, em pagamento da descoberta, nome este pelo qual ainda hoje é conhecida a aldeia que surgiu depois. Na lagoa foi construído um grande tanque, o qual é de utilidade pública a todos os moradores da atual aldeia do Rufino.

            Perto do lameiro do Raso, o Cap.José Ferreira de carvalho edificou outra casa muito grande, que mais tarde ofereceu a seu filho Ludovico Antunes de Carvalho. A dita casa fica na extremidade sul da Rua Barão de Geremoabo, que, depois de pertencer a vários donos, foi dividida em duas, pertencendo atualmente uma parte a Filipe das Abóboras, e a outra, a Caboclo do Morro. Foi ela a segunda grande casa edificada nesta terra.

            José Ferreira tinha por lema colonizar terras, abrir estradas, construir propriedades. Junto ao lameiro do Raso existia também um curral de cabras, e vários casebres para escravos. De vez em quando chegavam ao Recôncavo alguns caboclos, aos quais José Ferreira dava trabalho e guarida nas suas terras, indo com isso aumentando o número de moradores. Em 1840, fundou a fazenda denominada Poço das Madeiras, junto ao riacho Tocós, fazenda que deu de dote à sua filha, Rita Constantina de Oliveira.

            Naquele tempo, usava-se festejar a elevação das cumeeiras dos edifícios de propriedades de abastados. O programa era o seguinte: quando o dono da casa em construção tinha que lavar a peça de madeira ao local da cumeeira, convidava com antecedência grande número de amigos e parentes. Uma vez reunidos, uma senhora entre os convidados rematava a licença de hastear a bandeira na ocasião em que a dita peça de madeira atingisse o lugar designado. A bandeira era confeccionada de fazenda da melhor qualidade e adornada por todas as jóias pertencente à família do proprietário da casa, e subia juntamente com a peça de madeira onde ficava a tremular durante o dia todo. Subiam ao mesmo tempo girândolas de foguetes, batiam-se palmas e davam-se vivas, seguindo-se, após, um lauto banquete, oferecido aos convivas pelo dono da casa. Foi assim que se fez a festa da fazenda “Poço das Madeiras”.

            Rita recebeu de seu pai a dita fazenda, que foi edificada em uma elevação aprazível donde se descortina um belo panorama. Plantou e cultivou um magnífico jardim de muitas qualidades de flores. Plantou um extenso pomar de grande variedade de frutas, com resultados surpreendentes. Era tal a produção que sua família se utilizava e ainda exportava para lugares vizinhos. O mel, o leite, existia ali com fartura. Tudo ali era uma nova Canaã. Essa fazenda pertence atualmente a Paulo da Conversão Ferreira, filho de Rita.

            Próximo à fazenda Poço das Madeiras José Ferreira edificou uma outra, que deu a sua filha Antônia, casada com Ângelo Pastor Ferreira. Esta nova fazenda ele denominou Camamu. Sobra a origem deste nome explicava ele o seguinte: conhecia a cidade Camamu no sul da Bahia, e como as terras desta eram iguais às da nova fazenda, propícias à lavoura de mandioca, resolveu dar-lhe o mesmo nome. Começou ali o cultivo de mandioca, com resultados satisfatórios. Esta fazenda pertenceu, tempos mais tarde, a João Pastor de Oliveira, filho de Antônia e hoje é de propriedade de Reginaldo de Araújo, de Pedras.

            Severo Fabiano de Carvalho edificou a casa da fazenda Mulungu, estabelecendo-se na mesma com sua família. Essa fazenda era localizada ao norte do então Raso onde ainda existe hoje o novo Mulungu, de propriedade da viúva de Francisco Ferreira da Mota (meu avô). A casa antiga foi demolida, tendo sido construída, próximo ao local da mesma, uma outra, que depois foi também derrubada, tendo sido feita uma terceira, o atual Mulungu.

            José Ferreira edificou também a fazenda Tingui, a qual deu à sua filha Francisca Rosa. Era ela casada com Antônio Manoel da Mota e residia na fazenda Serra Grande, em Serrinha. Com a morte de seu esposo, José Ferreira foi busca-la para morar em sua companhia, estando o mesmo morando naquela época, na dita fazenda Tingui, a qual passou para a filha e com ela ficou até a morte.

            A casa que ele edificara no lugar denominado Raso, ou seja, a segunda casa aqui construída, deu á sua filha Maria Fidélis, mulher de José Tomé. De Maria Fidélis herdou-a sua filha Maria Lídia, que e casada com o Cel. José Roque de Oliveira, filho de Ângelo Pastor, Atualmente a mesma pertence a Domiciano Oliveira.

            Depois das primeiras propriedades rurais forma surgindo outras, as quais pertenceram e pertencem aos descendentes de José Ferreira, que continuaram a obra patriota e dinâmica da desbravação dos campos e colonização dos campos e colonização das terras. Aqui, ali e acolá foram surgindo roças, sítios, fazendas e povoados. Entre outras, foram edificadas as seguintes: Fazenda Laranjeira, pelo Cel. Antônio Ferreira Mota, filho de Francisca Rosa, de cuja fazenda originou-lhe o cognome Coronel Laranjeira, que também ficou conhecido por João do Caldeirão; Fazenda Deserto, por Francisco Aristides de Carvalho, filho de Severo Fabiano de Carvalho, o qual era conhecido por Francisco do Deserto; Fazenda Recreio, pelo Cel. Vicente Ferreira da Silva, casado com Virgínia, filha de Rita Constantina, das Madeira; Fazenda Terra Vermelha,  por Amerino de Oliveira Lima, Filho de Rita Constantina; Queimada Redonda, por José Ferreira de Carvalho Neto, filho de Rita Constatina, o qual era conhecido por Zuza; e Sítio, por Ângelo Pastor Ferreira, casado com Antônia Ferreira, filha de José Ferreira de Carvalho.

            Depois destas fazendas foram surgindo inúmeras outras. As quais não registro neste livro por ser inteiramente impossível. O Caldeirão, por exemplo, hoje é uma aldeia de mais de cinqüenta propriedades rurais, todas elas pertencem aos descendentes de José Ferreira de Carvalho.

04. Outras Realizações

José Ferreira continuou sua obra iniciada. Trazia no sobrenome o Carvalho, essa árvore da família das fagáceas. Forte possante e de grande utilidade, vencedora da idade e das procelas. Tal qual o Carvalho, na sua forca e valor era aquele que tinha por sobrenome. Progressista e patriótico, preocupava-se bastante com tudo o que viesse beneficiar aos seus e à terra onde habitava. Explorava por toda a parte as riquezas naturais do solo e erigia novas propriedades. Pela sua honradez e caráter postos a prova por tão abnegado esforço, foi ele designado pelo então Governador da Província da Bahia empreiteiro de uma estrada que partia da cidade de Alagoinhas e ia até Monte Santo, tarefa esta que aceitou e que deu conta. Este foi um dos muitos atos heróicos do intrépido desbravador de terras, dadas as dificuldades existentes naquela época, quando os meios de transportes nas regiões sertanejas eram apenas o lombo de burros e a planta dos pés. Mas para quem tem força de vontade e ânimo para a luta tudo é possível. Era esta a sua bandeira.

Fonte: HISTÓRIA DE ARACI (período de 1812 a 1956) - Maura Mota Carvalho Lima. http://www.mariokarvalho.com.br/2013/04/historia-de-araci-bahia.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário